Trump endossa Orban da Hungria para reeleição

5 de janeiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O ex-presidente dos EUA Donald Trump endossou na segunda-feira Viktor Orban, que busca a reeleição na Hungria. O primeiro-ministro de direita está frequentemente em desacordo com outros líderes ocidentais.

Orban, no poder desde 2010, está se preparando para eleições parlamentares em abril ou maio, com seu partido enfrentando seis partidos de oposição.

Trump disse em um comunicado que Orban "realmente ama seu país e quer segurança para seu povo. Ele fez um trabalho poderoso e maravilhoso na proteção da Hungria, na parada da imigração ilegal, na criação de empregos, no comércio, e deve ser autorizado a continuar a fazê-lo nas próximas eleições."

Trump caracterizou Orban como "um líder forte e respeitado por todos. Ele tem meu total apoio para a reeleição como primeiro-ministro!". Orban endossou Trump em ambas as suas campanhas presidenciais, em 2016 e 2020, e Trump lhe concedeu uma visita ao Salão Oval na Casa Branca em 2019.

Na época, Trump disse que o líder húngaro tinha "feito um tremendo trabalho de tantas maneiras diferentes", embora reconhecendo que ele era "provavelmente como eu, um pouco controverso. Mas tudo bem." Ao contrário de Trump, o presidente dos EUA Joe Biden manteve Orban à distância. Na Cúpula Virtual para a Democracia de Biden no mês passado, a Hungria foi o único estado-membro da União Europeia que não foi prorrogado um convite.

O endosso de Trump a Orban marca a segunda vez que o ex-presidente dos EUA apoia um líder estrangeiro populista que os críticos acusam de minar os princípios democráticos.

No ano passado, Trump expressou seu apoio à candidatura de reeleição do presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Ao longo de sua presidência, Trump frequentemente se gabava de sua relação com líderes autoritários e fortes, incluindo o presidente russo Vladimir Putin e o presidente chinês Xi Jinping.

Orban se gabou de transformar seu país em um "estado iliberal". Ele enfraqueceu as instituições democráticas e independentes da Hungria, limitou as liberdades de imprensa e mudou a composição do Judiciário. Embora alguns líderes europeus tenham expressado suas preocupações sobre o governo de Orban, os conservadores americanos demonstraram seu apoio.

O apresentador da Fox News Tucker Carlson transmitiu seu programa noturno de Budapeste por uma semana, chamando a Hungria de nação "com muitas lições para o resto de nós". O ex-vice-presidente Mike Pence participou de uma conferência húngara sobre valores conservadores e a União Conservadora Americana vem promovendo planos para uma conferência em 2022 de lá.

Fontes