Trump anuncia pré-candidatura à presidência dos EU

16 de novembro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Conforme esperado, o republicano Donald Trump lançou ontem sua pré-candidatura à presidência dos Estados Unidos. Ele fez o anúncio de sua casa em Mar-A-Lago, num discurso onde criticou Joe Biden, o atual presidente para quem perdeu as eleições há dois anos, e voltou a usar o slogan "fazer a América grande de novo".

Trump, no entanto, não terá um caminho tão fácil para receber o aval de seu partidários para que tenha uma chance de tentar a presidência uma segunda vez, após o resultado pífio de seus aliados nas eleições de meio de mandato na semana passada. Era esperado, até que os resultados nas urnas começassem a aparecer, que houvesse uma "onda vermelha", ou seja, que o Partido Republicano vencesse por ampla maioria no Senado, na Câmara dos Deputados e entre os governadores.

Se essa vitória esmagadora tivesse acontecido, este seria o sinal, esperavam Trump e seus principais apoiadores, de que suas políticas eram as ideais para o país. Entre estas políticas estão leis mais conservadoras em assuntos importantes como o amplo direito ao aborto e menos cuidados com a questão ambiental em favor da economia. Além disto, é possível que Trump se sentisse ainda mais avalizado para continuar com as fake news sobre fraude nas últimas eleições e que levaram seus apoiadores mais extremistas a invadirem o Capitólio, ação que deixou em choque países de democracias plenas em todo o mundo.

Enfraquecido em relação a sua primeira pré-candidatura lançada em 2015, Trump passou a ter no governador da Flórida seu principal oponente, após o também republicano Ron DeSantis fazer uma grande votação na semana passada. Chamado "Trump II", DeSantis faz questão de descrever em seu perfil no Twitter que é casado, pai de três meninas, um veterano da Guerra do Iraque e que luta por uma Flórida livre. Entre suas ações como governador da Flórida, já que foi reeleito, estão a de não ter imposto lockdown durante a pandemia de covid-19, o que tanto lhe rendeu críticas como apoio.

Notícias Relacionadas

Fontes