Soldado russo se declara culpado de matar civil ucraniano

18 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um soldado russo de 21 anos se declarou culpado na quarta-feira de matar um civil ucraniano desarmado no primeiro caso de crimes de guerra que Kiev apresentou desde a invasão russa, há três meses.

O sargento Vadim Shishimarin pode ser condenado à prisão perpétua por atirar na cabeça de um ucraniano de 62 anos pela janela aberta de um carro quatro dias depois que a Rússia lançou a invasão no final de fevereiro.

A procuradora-geral ucraniana, Iryna Venediktova, disse anteriormente que seu gabinete está preparando casos de crimes de guerra contra 41 soldados russos por crimes que incluíram bombardeios de infraestrutura civil, morte de civis, estupro e saques. Não está claro quantos russos estão sob custódia ucraniana ou quantos podem ser julgados à revelia.

No caso de Shishimarin ouvido em um tribunal de Kiev, Venediktova alegou que ele estava entre um grupo de soldados russos que fugiram das forças ucranianas em 28 de fevereiro, dirigindo-se para Chupakhivka, uma vila a cerca de 320 quilômetros a leste da capital, Kiev.

O procurador-geral disse que no caminho os soldados russos viram um homem andando de bicicleta e falando ao telefone. Shishimarin, de acordo com Venediktova, recebeu ordens para matar o homem para que ele não pudesse denunciá-los às autoridades militares ucranianas, mas não disse quem deu a ordem.

Shishimarin disparou seu fuzil Kalashnikov pela janela aberta e atingiu a vítima na cabeça, escreveu Venediktova em uma conta no Facebook.

“O homem morreu no local a apenas algumas dezenas de metros de sua casa”, disse ela.

Em um breve relato em vídeo do incidente produzido pelo Serviço de Segurança ucraniano, Shishimarin disse: “Recebi ordens para atirar. Eu atirei nele. Ele cai. E continuamos em frente”.

O escritório de Venediktova disse que está investigando mais de 10.700 possíveis crimes de guerra envolvendo mais de 600 suspeitos, incluindo soldados russos e funcionários do governo. Autoridades internacionais também estão investigando possíveis crimes de guerra russos, enquanto se acredita que Moscou esteja trabalhando em casos de crimes contra tropas ucranianas.

A Rússia negou alvejar civis e acusou a Ucrânia de encenar atrocidades. A Ucrânia diz que milhares de seus civis foram mortos.

Fontes