Senadores dos EUA visitaram Kiev

17 de janeiro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Além da ajuda militar, as autoridades americanas estão trabalhando para preparar sanções que “não serão destinadas apenas à Rússia em diferentes direções, incluindo econômica, mas também contra suas indústrias extrativas, contra Vladimir Putin e a liderança militar, que podem estar envolvidas no incentivo à crise na Ucrânia.”

Isso foi declarado durante a visita de sete senadores americanos a Kiev em 17 de janeiro pela representante do Partido Democrata Jeanne Shaheen.

"Queremos ser francos com Vladimir Putin. Estamos procurando maneiras de trazê-lo à justiça, e ele deve entender que esta é uma questão com a qual o Congresso, a administração Biden e nossos aliados estão lidando, por isso temos uma frente unida contra qualquer esforço de Putin e Rússia para invadir a Ucrânia", disse ela em uma reunião, de acordo com o serviço ucraniano da Radio Liberty.

Jeanne Shaheen ressaltou que “a delegação bipartidária ao Congresso envia uma mensagem clara à comunidade mundial: os Estados Unidos têm apoiado consistentemente nossos parceiros ucranianos na defesa de sua soberania e diante da agressão russa em curso”, informou a Associated Press.

O senador republicano de Ohio Robert Portman lembrou a alocação, em particular, de 300 milhões de dólares para a Iniciativa de promover a segurança da Ucrânia para apoiar as Forças Armadas no orçamento dos EUA para 2022.

“Uma Ucrânia soberana e independente é boa não só para os ucranianos, embora, é claro, para eles também, mas também é importante para a estabilidade da Europa. Isso dá um raio de esperança para milhões de outros que também querem ser livres. Estamos orgulhosos de apoiá-lo, assim como todos os americanos”, acrescentou Portman.

Ele também ressaltou que a delegação incluiu representantes de ambos os partidos do Congresso: democratas e republicanos.

Annalena Berbok visitará Kiev e Moscou

Durante uma visita a Kiev em 17 de janeiro, a ministra alemã das Relações Exteriores, Annalena Berbok, em uma reunião com seu homólogo ucraniano Dmytro Kuleba expressou preocupação com a segurança da Ucrânia.

“Estamos muito preocupados, desde meu trabalho como ministro, nunca pensei em nenhum país tanto quanto na segurança da Ucrânia. E isso, infelizmente, não é um bom sinal. Em Paris, Berlim, Varsóvia, reuniões do Grupo dos Sete, em Washington, Bruxelas, na OTAN durante as reuniões dos ministros das Relações Exteriores – em todos os lugares se falava sobre a presença militar da Rússia e as preocupações associadas a ela”, disse Annalena Berbok durante uma coletiva de imprensa na capital da Ucrânia.

Cada nova agressão, ela ressaltou, terá um preço alto.

“Estamos prontos para ter um diálogo sério com a Rússia, porque a diplomacia é a única maneira possível de desarmar uma situação muito tensa agora”, disse Annalena Burbock.

Fontes