Raro anel de Einstein descoberto pelo Telescópio Espacial Hubble

27 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram
O raro anel descoberto pela NASA em 2020

Um anel de Einstein, tanto raro como invulgar, foi recentemente descoberto pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA. Localizado no hemisfério sul da constelação de Fornax, este é um dos maiores e mais completos anéis de Einstein alguma vez vistos no universo. Foi apelidado de "Anel Fundido" devido à sua aparência distinta e constelação associada. Esta descoberta foi nomeada GAL-CLUS-022058s pelos astrónomos.

O nome anel de Einstein deriva da teoria geral da relatividade de Einstein que explica a sua forma. Em 1936, Einstein previu pela primeira vez a ocorrência de anéis de Einstein, embora se duvidasse que os conseguíssemos observar diretamente. Agora, graças aos nossos avançados telescópios espaciais, podemos vê-los frequentemente.

Como se formam os anéis de Einstein?

A luz de uma galáxia de fundo tornou-se distorcida numa curva devido à gravidade do aglomerado de galáxias à sua frente. A luz ficou distorcida desta forma devido aos efeitos da lente gravitacional. Isto faz com que a luz pareça vir de locais diferentes - formando uma espécie de ilusão. Também conhecido como anel de Chwolson, este fenómeno ocorre quando a luz de uma galáxia ou estrela se cruza com um objeto maciço a caminho da Terra.

Um anel de Einstein ocorre devido ao efeito de lente gravitacional, onde a luz de uma galáxia distante é curvada devido ao aglomerado de galáxias à sua frente. A relatividade geral dita que a gravidade provoca o desvio da luz devido ao campo gravitacional de um corpo maciço. Uma galáxia dobra a luz proveniente de outra galáxia diretamente detrás dela, como uma lente - focando a luz em formato de anel.

A "ferradura azul"

Um dos melhores exemplos do anel de Einstein foi observado em 2007 pela câmara de campo amplo 3 do Telescópio Espacial Hubble perto da galáxia vermelha luminosa LRG 3-757. Foi apelidado de ferradura cósmica, devido ao seu formato de ferradura. Também podemos ver que parece ser azul. Este é apenas o caso das fotografias tiradas a partir do espectro óptico, porque as de infravermelhos ou rádio mostram códigos de cor falsos.

A razão pela qual os anéis parecem azuis ainda está a ser debatida na literatura científica, porque tecnicamente, a equação gravitacional da lente não explica este efeito. Pensava-se anteriormente que a cor vinha de galáxias formadas por estrelas azuis. Um estudo publicado em 2011 sugeriu uma teoria, em relação à difração das ondas de luz dentro de um campo gravitacional, gerada pela dispersão de ondas escalares de muito baixa frequência através do espaço-tempo.

Depois do lançamento do Telescópio Espacial Hubble em 1993, o primeiro anel de Einstein foi descoberto em 1998, e desde então, muitos mais foram descobertos por radiotelescópios, telescópios ópticos e infravermelhos.

Fonte

Nota: conforme Aviso Legal – Condições de Cópia no website Tempo, o conteúdo está sob uma licença CC BY-SA 4.0, sendo “permitido remisturar, modificar e desenvolver a obra inclusive para propósitos comerciais, sempre que seja atribuído o crédito à Tempo”.