Rússia expulsa diplomatas franceses, espanhóis e italianos

18 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia anunciou no dia 18 que designaria 34 diplomatas franceses em seu país como “pessoas evitáveis” e os deportaria.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse na terça-feira que convocou o embaixador francês em Moscou, Pierre Levy, para protestar fortemente contra a “decisão provocativa e injustificada” da França no mês passado de designar 41 diplomatas russos como pessoas evasivas e expulsá-los.

“Enfatizou que tais ações prejudicam seriamente as relações entre a Rússia e a França e a cooperação bilateral construtiva”, afirmou.

Em resposta às medidas da França, disse que “34 diplomatas franceses foram designados como pessoas a serem evitadas.”

“Eles são ordenados a deixar o território russo dentro de duas semanas a partir da data da notificação ao embaixador francês”, disse ele.

Em resposta, o Ministério das Relações Exteriores da França disse: “As atividades dos diplomatas e funcionários da embaixada estão inteiramente dentro do escopo da Convenção de Viena nas relações diplomático-consulares.”

Enquanto isso, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia também anunciou a expulsão de 27 e 24 diplomatas e funcionários espanhóis e italianos, respectivamente.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse: “Convocamos o embaixador espanhol em Moscou para expressar um protesto firme contra a recente declaração do governo espanhol de 27 funcionários da missão diplomática russa como pessoas evasivas. Enfatizei que ficaria louco,” ele disse.

Além disso, como medida de resposta, 27 funcionários da missão diplomática espanhola, incluindo a embaixada em Moscou e o consulado-geral em São Petersburgo, foram obrigados a deixar a Rússia dentro de 7 dias.

Além disso, a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, confirmou a deportação de 24 funcionários da embaixada italiana em Moscou no mesmo dia, informou a agência de notícias estatal russa Tas.

O porta-voz Zakharova disse à Tas News que o embaixador italiano em Moscou havia sido convocado e informado da decisão em resposta à recente expulsão de diplomatas russos pelo lado italiano.

O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, chamou a decisão de “hostil” à decisão do Ministério das Relações Exteriores da Rússia e enfatizou que os canais diplomáticos não devem ser interrompidos.

Fontes