26 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Milhares de pessoas participaram de uma marcha contra o anti-semitismo em Londres no domingo, protestando contra o aumento dos crimes de ódio contra judeus desde o início do conflito entre Israel e Hamas.

O ex-primeiro-ministro britânico Boris Johnson esteve entre os estimados 60.000 manifestantes na primeira marcha deste tipo desde o início da guerra e na maior reunião contra o anti-semitismo em Londres em décadas, segundo os organizadores. Johnson marchou ao lado do rabino-chefe do Reino Unido, Ephraim Mirvis, e de outros altos funcionários do governo.

Algumas pessoas cantaram em hebraico, enquanto outras gritavam “Traga-os para casa” em referência aos reféns.

A Polícia Metropolitana de Londres recebeu relatos de 554 crimes anti-semitas entre 1 de outubro e 1 de novembro, contra 44 no ano anterior, um aumento de mais de 10 vezes. Os relatos de crimes islamofóbicos quase triplicaram, para 220, durante o mesmo período.

A polícia prendeu um ativista de extrema-direita, Tommy Robinson, no início da marcha de domingo, depois deste ter se recusado a deixar a área a pedido dos agentes.

A marcha de domingo ocorreu um dia depois de uma última manifestação na capital britânica de manifestantes pró-Palestina pedindo um cessar-fogo permanente na Faixa de Gaza.

Fontes editar