ONU teme que escalada de combates no norte da Síria possa se espalhar para outras áreas

22 de outubro de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Autoridades de direitos humanos da ONU alertam que a escalada de combates no norte da Síria pode se espalhar e levar a mais mortes e deslocamentos em massa.

Dezenas de civis teriam sido mortos e feridos na intensificação dos combates entre o grupo militante islâmico Hay'at Tahrir al-Sham e alguns grupos armados afiliados à Turquia no norte da Síria.

Entre as vítimas estava um ativista sírio e sua esposa grávida. A mídia relata que eles foram vítimas de assassinato em 7 de outubro, alimentando o conflito na cidade de al-Bab, no noroeste do país.

O ativista, Muhammad Abdul Latif, supostamente estava se manifestando contra as ações de grupos armados turcos afiliados na área, incluindo a apreensão de propriedades.

O escritório de direitos humanos da ONU chama isso de um desenvolvimento preocupante. A porta-voz da agência, Ravina Shamdasani, disse que sua agência teme que a escalada dos combates possa se espalhar para outras áreas no norte da Síria, incluindo Aleppo e Idlib, potencialmente causando muitas mortes de civis e deslocamentos em massa.

“Subsequentemente, durante um período de sete dias, de 12 a 18 de outubro, nosso escritório verificou a morte de pelo menos sete civis, incluindo quatro mulheres e três crianças, no norte da Síria”, disse ela. “Pelo menos 11 outros ficaram feridos. Isso inclui duas mulheres, sete homens e duas crianças. O número total de civis mortos e feridos pode, é claro, ser maior.”

Shamdasani disse que as vítimas ocorreram em áreas dentro e ao redor das cidades de al-Bab, Afrin e Kafr Janna, bem como em outras áreas no norte da província de Aleppo. Ela disse que civis em áreas residenciais foram atingidos por ataques terrestres e armas pequenas em combates entre as partes em conflito.

“Temos relatórios alegando que vários ataques aéreos e terrestres foram conduzidos por forças pró-governo”, disse ela. “E estes atingiram áreas nos arredores da cidade de Afrin, bem como nos arredores de aldeias no oeste, leste e sul rural de Idlib”.

Idlib é o último reduto rebelde remanescente na Síria. Os esforços do presidente sírio, Bashar al-Assad, e de seu aliado, a Rússia, para recuperar o controle do território até agora não surtiram efeito.

O escritório de direitos humanos da ONU está pedindo a todas as partes em conflito que poupem a população civil e os bens civis não militares. Ela observou que greves que afetam áreas residenciais podem ser uma violação da proibição de ataques indiscriminados.

A agência informa que mais de 300.000 civis foram mortos durante mais de 10 anos de conflito civil na Síria.

Fontes