Novo ministro da Educação da França provoca surpresa e controvérsia

24 de maio de 2022

Pap Ndiaye em 2018
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Em sua cerimônia de posse, o novo ministro da Educação Pap Ndiaye prestou homenagem aos professores do país, destacando Samuel Paty, morto por um extremista islâmico em 2020.

Ndiaye se descreveu como um símbolo de meritocracia e diversidade. Em vez de se sentir orgulhoso, disse ele, assumiu seu novo emprego com senso de dever e responsabilidade.

Ndiaye, de 57 anos, é professor universitário de longa data e especialista na história das minorias e dos movimentos de direitos na França e nos Estados Unidos. No ano passado, ele foi escolhido para chefiar o Museu Nacional de História da Imigração da França.

“Foi inesperado, obviamente, mas foi uma notícia muito boa.”

Louis-Georges Tin é um ativista dos direitos dos negros e ex-chefe do Conselho Representativo de Associações Negras, ou CRAN. Ele saúda o novo ministro da Educação.

“Ele é uma pessoa brilhante”, disse Tin. “Ele é respeitado na academia. Ele fez algumas ações em termos também de luta contra o racismo no país.”

Embora Tin não seja o único a elogiar a nomeação de Ndiaye, alguns políticos de direita a criticam.

A líder de extrema-direita Marine Le Pen, que ficou em segundo lugar na votação presidencial do mês passado, descreveu a designação de Ndiaye como um sinal alarmante para o futuro. Ela o chamou de defensor do chamado “racialismo” e do despertarismo, que os críticos ridicularizam como uma ideologia de protesto esquerdista. Outros críticos descrevem Ndiaye como antipolícia.

Entrevistada na rádio francesa, a irmã de Ndiaye, a premiada autora Marie Ndiaye, disse que não ficou surpresa com as críticas – mas as chamou de absurdas e estúpidas.

Alguns observadores dizem que a controvérsia sobre a nomeação de Ndiaye reflete a discriminação na França, já que a morte em 2020 do afro-americano George Floyd sob custódia policial nos Estados Unidos desencadeou protestos semelhantes pelos direitos dos negros aqui.

Em entrevistas ao longo dos anos, Pap Ndiaye disse que a França está relutante em examinar completamente sua história de colonialismo e escravidão. Ele elogiou a polícia francesa, mas também disse que a violência policial deve ser discutida.

O ativista Louis-Georges Tin disse que muito mais precisa ser feito para ensinar os estudantes franceses sobre discriminação. Tin disse que teme que os esforços de Ndiaye para mudar as coisas durante seu mandato resultem em resistência.

“Ter um ministro negro na França não é novo”, disse Tin. “E ter ataques racistas também não é novo. É sempre a mesma história... então é por isso que estamos em uma situação de racismo de Estado, racismo sistêmico. As pessoas não querem ministros negros neste país.”

Fontes