No Paquistão, confrontos entre policiais e islâmicos deixam 2 mortos

18 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Conflitos entre um partido islâmico recentemente banido e a polícia na segunda maior cidade do Paquistão, Lahore, supostamente deixaram pelo menos duas pessoas mortas e dezenas de outros feridos no domingo.

O Tehreek-e-Labbaik Paquistão (TLP) exigia que o Paquistão expulsasse o embaixador francês por causa dos comentários do presidente francês em defesa da liberdade de expressão em relação às caricaturas do profeta islâmico Maomé.

A polícia da província de Punjab disse que a ação foi em resposta ao ataque do TLP a uma delegacia de polícia, prendendo policiais e Rangers, membros de uma força paramilitar, sequestrando um policial sênior e roubando um petroleiro contendo 50.000 litros de combustível.

“Os malfeitores estavam armados e atacaram Rangers/Polícia com bombas de patrulha”, disse o Twitter oficial da polícia de Punjab.

Todo o episódio se desenrolou nas redes sociais, à medida que os principais meios de comunicação, especialmente as dezenas de canais de televisão do país, foram obrigados a não noticiá-lo.

“A Autoridade Reguladora da Mídia Eletrônica do Paquistão proibiu a cobertura do TLP”, tuitou o jornalista sênior Hamir Mir, âncora de um programa de atualidade no horário nobre do canal de TV Geo News do Paquistão.

Ele disse que a proibição só prejudicaria a credibilidade da mídia, já que tudo estava disponível nas redes sociais.

Os tweets Pro-TLP tornaram-se um dos principais assuntos no Twitter em poucas horas, com centenas de milhares de tweets e retweets de vídeos de policiais disparando tiros, imagens dos feridos e mensagens de líderes do TLP.

Em uma mensagem de vídeo que circulou no WhatsApp, o porta-voz da TLP, Shafiq Amini, disse que não enterrarão seus mortos até que o governo force o embaixador a sair do país.

O analista de segurança Mubashir Bukhari disse que se o TLP seguir em frente com essa ameaça, isso vai piorar a situação. “Eu chamo este grupo de perigoso porque a ideologia que eles seguem é apoiada por todas as seitas do Islã… então muitos grupos os apoiarão, e você pode ouvir vozes de apoio vindo do parlamento”, disse ele.

A demanda para expulsar o embaixador surgiu pela primeira vez no ano passado, quando o TLP, sob o comando de Khadim Rizvi, organizou um grande protesto na capital, Islamabad. Na época, o governo concordou em levar o assunto ao parlamento em três meses. Esse prazo está previsto para expirar em 20 de abril. O TLP havia anunciado uma marcha sob a capital, a menos que o governo cumprisse sua promessa.

Para evitar a marcha, o governo prendeu na semana passada Saad Rizvi, que lidera o partido desde a morte de seu pai em novembro passado. A detenção fez com que islâmicos bloqueassem as principais estradas e rodovias do país por dias, criando congestionamentos e interrompendo a vida nas principais cidades.

As tentativas da polícia de dispersá-los resultaram em confrontos violentos que deixaram dois policiais e três manifestantes mortos, centenas de feridos e propriedades públicas e privadas danificadas.

Os acontecimentos da semana passada levaram o governo a proibir o TLP e a Embaixada da França a pedir aos seus cidadãos que deixassem o Paquistão temporariamente por questões de segurança.

Na sexta-feira, o governo do Paquistão fechou sites de mídia social, como Twitter, Facebook, YouTube, WhatsApp, TikTok e Telegram por quatro horas, por ordem do Ministério do Interior, enquanto a polícia em Lahore reprimia uma reunião de apoiadores do TLP.

Os residentes de Lahore dizem que os serviços de dados por telefone celular em partes da cidade são lentos ou inexistentes há dias.

Fontes