22 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O governo de Israel votou a favor de um acordo para o Hamas libertar um grupo de reféns detidos em Gaza num cessar-fogo de quatro dias, disse o gabinete do primeiro-ministro Benajmin Netanyahu.

Autoridades do Catar, que tem sido mediador nas negociações, bem como dos Estados Unidos, de Israel e do Hamas, garantem há dias que um acordo era iminente.

Mas antes do anúncio e quando o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, convocou o seu gabinete para a votação, ele prometeu retomar a ofensiva contra o Hamas assim que a trégua terminar.

“Estamos em guerra e continuaremos a guerra”, declarou ele. “Continuaremos até atingirmos todos os nossos objetivos.”

O gabinete de Israel votou um plano que suspenderia a ofensiva de Israel em Gaza durante vários dias em troca da libertação de cerca de 50 dos 240 reféns detidos pelo Hamas.

Netanyahu reconheceu que o gabinete enfrentava uma decisão difícil, mas apoiar o cessar-fogo era a coisa certa a fazer. O primeiro-ministro teve apoio suficiente para aprovar a medida, apesar da oposição de alguns ministros linha-dura.

Netanyahu disse que o trabalho de inteligência continuará durante a pausa, permitindo ao exército se preparar para os próximos estágios do conflito. Ele garantiu que a batalha continuará até que “Gaza não ameace Israel”.

Fontes editar