Número de jornalistas presos em todo o mundo atinge a maior alta de todos os tempos

10 de dezembro de 2021

Logo em francês, inglês e espanhol
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Agência VOA

O número de jornalistas em todo o mundo presos por governos que buscam sufocar reportagens críticas atingiu seu nível mais alto em 2021, de acordo com um relatório anual compilado pelo Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

O CPJ constatou que, em 1º de dezembro, 293 jornalistas estavam presos em 37 países diferentes, contra 280 em 2020. A China era de longe o pior infrator, mantendo 50 jornalistas presos. Outros países que prendem um grande número de jornalistas incluem Mianmar, Egito, Vietnã e Bielo-Rússia.

Gypsy Guillén Kaiser, diretor de defesa e comunicação do CPJ, disse à VOA que há um tema comum entre os países que prendem jornalistas.

“Houve um declínio da democracia e dos princípios democráticos em todo o mundo, em quase todas as áreas, não apenas na liberdade de imprensa”, disse ela. “Em particular, governos autoritários estão retratando jornalistas como mentirosos e criminosos injustos. Essa narrativa serve à polarização política que assola o mundo e também é um componente crítico na erosão da confiança na mídia livre e independente em todo o mundo. ”

Kaiser disse que os regimes autoritários trabalharam para aprovar novas leis que permitem que eles tenham como alvo os jornalistas, como a seção 505A, uma cláusula adicionada ao código penal em Mianmar que proíbe atos vagos como "causar medo".

O censo do CPJ tem o objetivo de fornecer um instantâneo no tempo. A contagem é de jornalistas detidos até 0h01 do dia 1º de dezembro. Não inclui jornalistas detidos durante parte de 2021, mas liberados antes da data do censo.

O CPJ divulgou o relatório um dia antes de a Casa Branca sediar a Cúpula da Democracia, uma reunião virtual de mais de 100 nações que estão, aparentemente, comprometidas com os princípios da democracia.

No entanto, sete dos países listados pelo Departamento de Estado como participantes mantêm atualmente pelo menos um jornalista preso, segundo o CPJ. Eles são Brasil, República Democrática do Congo, Índia, Iraque, Israel, Nigéria e Filipinas.

“Achamos que é importante estabelecer um diálogo com os países que estão engajados em comportamento repressivo”, disse Kaiser. Ela destacou, no entanto, que uma das principais questões que o governo Biden espera abordar na cúpula é a sustentabilidade de uma mídia livre e independente. Isso coloca os sete países em conflito direto com um dos principais objetivos da cúpula.

“Se os jornalistas não são capazes de reportar de forma livre e independente, a sustentabilidade da mídia não é uma meta alcançável”, disse Kaiser.

Este ano é o primeiro em que jornalistas baseados em Hong Kong estão na lista, após a imposição da nova lei de segurança nacional da China em resposta aos protestos pró-democracia no ano passado. Os 50 jornalistas presos na China incluem oito de Hong Kong, entre eles Jimmy Lai, fundador do jornal Apple Daily e Next Digital. Lai ganhou o Prêmio Gwen Ifill de Liberdade de Imprensa de 2021 do CPJ.

Na terça-feira, o Repórteres Sem Fronteiras (RSF) publicou sua própria estimativa do número de jornalistas chineses atualmente presos por Pequim, colocando o número muito maior em 127. Um fator que contribui para a diferença é que a RSF conta jornalistas não profissionais entre os presos .

Mianmar passou de um jornalista preso em 2020 para 26 este ano, de acordo com o CPJ. O aumento repentino ocorreu depois que uma junta militar deslocou o governo democraticamente eleito do país em fevereiro. O CPJ disse que sua contagem subestima significativamente a extensão da repressão ao jornalismo independente no país porque um grande número foi divulgado antes da data do censo.

A guerra civil na Etiópia coincidiu com um grande aumento no número de repórteres presos pelo regime de Abiy Ahmed, o ex-reformador político. O governo de Ahmed mantinha nove jornalistas detidos, tornando-se o segundo maior carcereiro de repórteres na África, atrás da Eritreia, que detinha 16.

Fonte