MST relembra 20 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás em ato contra impeachment

17 de abril de 2016

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) do Ceará lembraram hoje (17), durante ato em Fortaleza contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, o massacre de Eldorado dos Carajás, que completa 20 anos neste domingo. Dezenove trabalhadores sem-terra foram mortos pela Polícia Militar no sudeste do Pará na ocasião.

Junto com outros movimentos sociais e militantes contrários ao impeachment, os sem-terra acompanham a votação da Câmara dos Deputados na Avenida da Universidade, no bairro Benfica.

Com cruzes de madeira, placas e faixas, os integrantes do MST marcharam entre os demais manifestantes e disseram que continuarão lutando pela reforma agrária, como faziam os agricultores mortos no massacre do Pará.

“Nossa forma de homenagear esses companheiros é continuar a luta pela reforma agrária, continuar ocupando terras e nos mobilizar por esse direito tão importante”, disse a integrante da coordenação estadual do MST Maria de Jesus dos Santos.

Votação

Os manifestantes acompanham a votação, que começou pouco antes das 18h, em um telão instalado na avenida. A estrutura para receber manifestantes de Fortaleza e dos municípios do interior foi montada ontem (16) pelos organizadores do ato contrário ao impeachment.

O pedagogo Elísio Celestino disse que o processo na Câmara está sendo manipulado e que o povo precisa estar atento. “Lamentavelmente, há uma manobra muito forte da oposição orquestrada pelo presidente da Câmara [Eduardo Cunha], junto de outros grandes parceiros que estão envolvidos em uma lama de corrupção. Essa também é uma grande motivação para esse grupo estar aqui. Nossa atitude deve se fortalecer cada vez mais para modificar essa alternativa que eles estão impondo.”

O presidente da Central Única dos Trabalhadores do Ceará (CUT-CE), Wil Pereira, também diz acreditar que o processo está sendo manipulado, mas mantém o otimismo de que o placar seja favorável ao governo. “Está muito claro que há um conluio coordenado por Eduardo Cunha. Se aquela Casa fosse do povo e respeitasse a população, ele não estaria presidindo essa sessão e estaria preso. Já tínhamos esse cenário, mas vamos adquirir os números necessários para que o processo de impeachment não vá para o Senado.”

Pró-impeachment

Em outro ponto da capital cearense, manifestantes favoráveis ao afastamento de Dilma também acompanham a votação da Câmara em telão instalado na rua. O grupo está reunido na Praça Portugal, no bairro Aldeota.

Fonte