México se junta à investigação de migrantes mortos encontrados no Texas

29 de junho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Pelo menos metade dos migrantes encontrados mortos em um caminhão em San Antonio, Texas, eram de origem mexicana.

Isso foi confirmado pelo Ministério das Relações Exteriores, segundo dados coletados pelo cônsul mexicano em San Antonio, Rubén Minutti. O número é de 27 das 51 pessoas falecidas, mas até agora só estão disponíveis documentos de identidade, que serão comparados com impressões digitais.

Também foi anunciado que das 13 pessoas que estão em diferentes hospitais da região, pelo menos três são mexicanas.

O secretário de Relações Exteriores, Marcelo Ebrard, informou que teve uma conversa com o secretário de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Alejandro Mayorkas, e concordou que os dois países trabalharão juntos para encontrar e punir os responsáveis.

Depois de se reunir com o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, o embaixador dos Estados Unidos, Ken Salazar, destacou que esses tipos de eventos são consequência de leis de imigração quebradas e disfuncionais.

“Isso destaca a importância de garantir que tenhamos uma estrutura regional de migração. É mais uma vez um grande som para os líderes das nações, também para as organizações civis, que temos que resolver essa realidade de nossas vidas agora neste ano de 2022”, disse Salazar.

Anteriormente, López Obrador anunciou que a migração será o tema central do encontro que realizará com seu colega norte-americano, Joe Biden, em 12 de julho na Casa Branca.

“Uma tremenda desgraça. Esta é a prova amarga de que devemos continuar a insistir em apoiar as pessoas para que não tenham de sair das suas cidades para procurar vida do outro lado da fronteira”, disse o presidente.

Enquanto isso, o Instituto Nacional de Migração informou que o governo arcará com as despesas do funeral e a repatriação dos corpos dos migrantes nacionais mexicanos encontrados no caminhão.

Fontes