28 de novembro de 2023

Manifestante pede paz (peace em inglês)
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Israel e o Hamas chegaram a um acordo na segunda-feira para prolongar o cessar-fogo em Gaza por mais dois dias, com os militantes libertando mais reféns e o Estado judeu libertando mais prisioneiros palestinos, anunciou o governo do Catar.

A prorrogação do cessar-fogo temporário foi negociada pelo Qatar e ocorreu no último dia da trégua original de quatro dias entre os lados em conflito. Os Estados Unidos saudaram a prolongação dos combates.

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse num comunicado que a suspensão da guerra “permitiu um aumento significativo na assistência humanitária adicional aos civis inocentes que sofrem em toda a Faixa de Gaza”.

“Certamente gostaríamos que essa prorrogação fosse estendida ainda mais até que todos os reféns fossem libertados”, disse John Kirby, diretor de comunicações estratégicas do Conselho de Segurança Nacional. “Esse é realmente o objetivo aqui, levar todos os reféns para casa com seus famílias onde elas pertencem. Sabe, não importa quanto tempo isso possa levar”.

Israel havia dito que interromperia sua invasão terrestre e ataque aéreo ao Hamas na Faixa de Gaza um dia além do pacto original para cada 10 reféns adicionais que o Hamas libertasse e libertaria três vezes mais palestinos mantidos em prisões israelenses. O Hamas confirmou que concordou com uma prorrogação de dois dias “nos mesmos termos”.

Uma quarta troca de reféns estava em andamento na noite de segunda-feira, com as Forças de Defesa de Israel afirmando que 11 detidos pelo Hamas foram libertados e estavam a caminho de Israel. Ao todo, 50 reféns israelenses foram libertados nos últimos quatro dias e esperava-se que 150 palestinos fossem libertados.

Embora o cessar-fogo prolongado oferecesse a perspectiva de uma trégua mais longa, Israel manteve-se inflexível no seu objetivo declarado de esmagar as capacidades militares do Hamas e pôr fim ao seu domínio de 16 anos sobre Gaza, o estreito território ao longo do Mar Mediterrâneo, após o ataque de 7 de outubro.

A ofensiva de Israel contra militantes do Hamas em Gaza matou mais de 14 mil pessoas, a maioria delas mulheres e crianças, segundo autoridades de saúde de Gaza.

Fontes editar