Harris e Blinken prestam condolências à família do falecido presidente dos EAU

16 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, está em Abu Dhabi, juntando-se a uma delegação de alto escalão dos EUA liderada pela vice-presidente Kamala Harris, para prestar suas condolências à família do falecido presidente dos Emirados Árabes Unidos, Sheikh Khalifa bin Zayed Al Nahyan, que morreu última sexta-feira.

Harris e Blinken devem se encontrar com o irmão do falecido presidente, Sheikh Mohammed bin Zayed al Nahyan, que é o novo presidente do país e já um influente agente de poder no Oriente Médio e além.

É a visita de mais alto nível até hoje do governo Biden ao país rico em petróleo, um centro financeiro da região. A delegação também inclui o secretário de Defesa Lloyd Austin, o diretor da CIA William Burns e o enviado climático John Kerry.

Antes de sua partida, a vice-presidente Harris disse que estava viajando em nome do presidente Joe Biden para prestar seus respeitos. Analistas também veem a visita como um gesto importante para impulsionar as relações tensas dos Estados Unidos com os Emirados Árabes Unidos. Abu Dhabi está frustrado com o governo Biden por suspender uma designação terrorista aos rebeldes houthis do Iêmen, apoiados pelo Irã, que dispararam mísseis e drones contra os Emirados Árabes Unidos e a Arábia Saudita. Os Emirados Árabes Unidos e outros Estados do Golfo também se opõem aos esforços do governo Biden para reviver o acordo nuclear internacional com o Irã, do qual o ex-presidente Donald Trump retirou os EUA em 2018.

De sua parte, Washington pediu aos Emirados Árabes Unidos e à Arábia Saudita que bombeassem mais petróleo desde a invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro, para reduzir os preços crescentes do gás e melhorar a estabilidade nos mercados de energia, à medida que a Europa tenta começar a se livrar do petróleo russo e do petróleo natural. gás. Riad e Abu Dhabi rejeitaram as exigências de Washington, buscando manter boas relações com a Rússia.

Blinken chegou a Abu Dhabi vindo de Paris, onde teve um jantar de trabalho com seu colega francês, Jean Yves Le Drian. O Departamento de Estado disse que os dois principais diplomatas discutiram "questões de importância no relacionamento bilateral, especialmente a necessidade urgente de enfrentar a insegurança alimentar global exacerbada pela guerra da Rússia" na Ucrânia e os esforços para alcançar um retorno mútuo ao acordo nuclear com o Irã, conhecido como JCPOA.

A primeira parada de Blinken nesta turnê foi em Berlim, onde ele se encontrou com o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, no domingo. Eles também discutiram planos para trabalhar juntos para garantir que as exportações de alimentos ucranianos cheguem aos consumidores na África e na Ásia. Berlim sediou uma reunião de ministros das Relações Exteriores da OTAN, convocada para discutir a situação na Ucrânia e coordenar os esforços para fornecer à Ucrânia a assistência humanitária e as armas necessárias para se defender contra a Rússia.

A invasão em larga escala da Ucrânia pela Rússia fez com que os preços dos alimentos disparassem e aumentou a ameaça de fome em muitas partes do mundo. Ministros das Relações Exteriores do Grupo dos Sete países reunidos na Alemanha neste sábado pediram ao governo russo que encerre o bloqueio aos portos ucranianos do Mar Negro, para liberar as exportações de grãos, fertilizantes e outros produtos agrícolas ucranianos extremamente necessários.

Blinken e os outros ministros das Relações Exteriores da OTAN também discutiram a decisão da Finlândia de solicitar a adesão à OTAN sem demora. Os EUA disseram que apoiariam os pedidos da Finlândia e da Suécia para ingressar na aliança de segurança transatlântica. O presidente russo, Vladimir Putin, alertou o presidente da Finlândia, Sauli Niinisto, em um telefonema no sábado, que qualquer tentativa de Helsinque de ingressar na Otan prejudicaria as relações bilaterais. Os líderes da Finlândia veem a invasão da Ucrânia pela Rússia como uma ameaça à segurança de seu país, já que os dois países compartilham uma fronteira de 1.340 quilômetros.

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, também expressou preocupação com a adesão da Finlândia e da OTAN à aliança. Blinken disse que a Turquia não disse que impedirá a adesão de Helsinque e que o pedido é um “processo”, e a OTAN é um lugar para discussão.

Fontes