Guerra de Tigray custa 1 milhão de crianças no terceiro ano escolar, diz ONU

18 de maio de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um total de 1,39 milhão de crianças na região de Tigray estão atualmente perdendo a educação por causa da guerra civil da Etiópia, de acordo com as Nações Unidas.

Enquanto os jornalistas estão proibidos de entrar em Tigray, a VOA conseguiu acessar a região vizinha de Amhara, onde as escolas estão começando a reabrir, depois que as forças de Tigray que ocupavam grande parte da região se retiraram em dezembro.

Mas a ocupação deixou cicatrizes profundas. Moradores da cidade de Gashena dizem que as forças de Tigray usaram as salas de aula como base, picharam as paredes das salas de aula, insultaram o grupo étnico Amhara e o primeiro-ministro da Etiópia e jogaram corpos em uma vala comum no terreno da escola.

A Frente de Libertação do Povo Tigrayan negou tais acusações e pediu uma investigação independente.

Um aluno, Ayten Mune, contou ter retornado à escola depois que as forças Tigrayan saíram.

Ele disse que, quando voltou para a escola, havia manchas de sangue, carteiras quebradas e computadores quebrados aqui e ali. O TPLF usou a escola como hospital, por isso havia tanto sangue, disse ele.

O vice-diretor da escola, Getnet Habtamu, disse que teve que mobilizar as autoridades locais para exumar a vala comum cheia de corpos de soldados e civis mortos durante os combates por causa do impacto psicológico que teve nos alunos.

Ele disse que os alunos se recusaram a comparecer porque a escola estava uma bagunça total e que havia sangue por toda parte. Ele acrescentou que a comunidade trabalhou em conjunto para trazer os alunos de volta à escola, mas os professores tiveram que ir de porta em porta nas casas dos alunos para convencê-los a voltar.

Fontes