Grécia promete reconstruir clínica-maternidade bombardeada em Mariupol

21 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

A Grécia se ofereceu para reconstruir uma maternidade bombardeada em Mariupol, na Ucrânia, devastada pela guerra. O ataque russo que matou uma mulher grávida e seu filho, deixando dezenas de feridos, desde então provocou indignação global.

O primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis anunciou a iniciativa após conversas com seus homólogos da Itália, Espanha e Portugal – três nações que circundam a borda sul da União Europeia, juntamente com a Grécia – todos os países lutando para lidar com as terríveis repercussões da ofensiva russa na Ucrânia.

Temos que considerar o fortalecimento da União Europeia e as consequências de uma crise de energia que enfrentamos agora, disse Mitsotakis na sexta-feira. Como membros da OTAN, acrescentou, também devemos considerar o aumento dos orçamentos de defesa.

No entanto, quando o primeiro-ministro grego expressou o que chamou de sua aversão à invasão russa, ele enfatizou a necessidade de não perder tempo em ajudar a reconstruir a Ucrânia devastada pela guerra, especialmente Mariupol, lar de pelo menos 100.000 gregos étnicos, entre os maiores bolsões de Herança grega além da Grécia.

“Esta não é apenas uma cidade com forte presença grega”, disse Mitsotakis, "mas uma cidade que se tornou um emblema de resistência contra a agressão russa. E embora nossa decisão de reconstruir a maternidade possa ser um pequeno gesto, é uma tarefa importante reconstruir a Ucrânia assim que esta guerra terminar, espero que em breve", acrescentou.

Milhares de gregos étnicos existiram em Mariupol desde o século XVIII. De acordo com alguns relatos, remontando ao século VI aC, uma longa linha de história que ficou ameaçada no mês passado, quando um comboio de dezenas de carros evacuando dezenas de gregos foi atacado, matando 10 gregos.

O Kremlin negou qualquer envolvimento, culpando os combatentes ucranianos.

Mas o incidente mortal azedou os laços tradicionais de amizade entre Atenas e Moscou. Também mudou o sentimento público em Atenas, com a maioria tomando o lado da Ucrânia e contra o presidente russo, Vladimir Putin, que os gregos reverenciaram no passado.

Atenas doou cerca de 40 toneladas de fuzis Kalashnikov e granadas lançadas por foguetes para ajudar os combatentes ucranianos. Também recebeu milhares de refugiados ucranianos de ascendência grega, convidando-os a se candidatarem a mais de 50.000 empregos nos setores de turismo e agricultura.

No entanto, esse apoio ativo à Ucrânia fez com que a Grécia se preparasse para mais problemas financeiros, desta vez visando sua maior indústria lucrativa: o turismo.

Um destino de verão extremamente popular para os russos, o Kremlin agora desaconselha viagens à Grécia. Cerca de 500.000 turistas russos eram esperados este ano. E embora o número possa representar uma pequena fatia dos 34 milhões de visitantes que visitaram o país em seu ano recorde em 2019, a Grécia vem lutando contra a pandemia para recuperar esses números.

É uma perda, dizem as autoridades, que a Grécia pode arcar, mesmo que isso custe o precioso preço de salvar seu patrimônio.

Fontes