Governo de Maduro garante que não se reunirá com Guaidó

19 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O presidente da Assembleia Nacional de maioria chavista na Venezuela e chefe da delegação da mesa de diálogo no México entre o governo e a oposição, Jorge Rodríguez, disse que não se reunirão com Juan Guaidó, considerado presidente interino da Venezuela por dezenas de anos. países.

“Não nos reunimos com traficantes de drogas, colocamos traficantes na prisão, não vamos endossar a imposição de um arquivo de política de drogas na Venezuela”, declarou Rodríguez através do canal estatal na tarde de sexta-feira.

“Vamos a um diálogo amplo e inclusivo, com todos os setores da vida política da Venezuela, não com os narcotraficantes”, acrescentou, após apresentar supostas provas que ligam Guaidó e outros líderes da oposição a Biagio Garófalo, traficante de drogas detido na Colômbia neste semana.

Na quinta-feira, Guaidó reiterou sua disposição de chegar a um acordo no México que "aproxime uma solução para o conflito" na Venezuela e, no momento, não respondeu às acusações de Rodríguez.

Dias atrás, após um encontro com emissários da Casa Branca em Caracas, o presidente Nicolás Maduro anunciou que se preparava para "reativar com grande força" o processo de diálogo nacional com todos os fatores políticos, sociais e religiosos.

“O diálogo no México recebeu um tremendo golpe, mas se estamos pedindo diálogo para o mundo, temos que dar o exemplo e vamos reformatar o processo de diálogo nacional, estamos caminhando para um processo de diálogo inclusivo, abrangente e amplo. essa mão a todos os venezuelanos que querem fazer nosso país avançar e a de todas as garantias políticas para os próximos processos nos anos que se marcam daqui para frente”, disse.

A mesa de diálogo no México foi suspensa em outubro do ano passado após a extradição para os Estados Unidos do empresário colombiano Alex Saab, que o governo Maduro pretendia incorporar à mesa de diálogo.

Analistas políticos afirmaram em várias ocasiões que o governo Maduro não tem “incentivos” para voltar à mesa de negociações no México porque, no momento, não percebe ameaças significativas à sua estabilidade no poder.

Fontes