Gado e plantações estão debaixo d'água na Venezuela

27 de abril de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

As inundações em quatro municípios da região venezuelana de Zulia, na fronteira com a Colômbia, deixaram 18 mil hectares de lavouras e gado submersos nos últimos dias, afetando também as casas de 32 mil famílias, segundo balanços de produtores e autoridades.

Manuel Rosales, governador daquele estado —o mais populoso do país— declarou esta terça-feira o “alerta máximo” para o transbordamento de pelo menos oito rios devido às chuvas e ao rompimento das barragens de contenção nos municípios Polegar, Colón, Sucre e Catatumbo.

Conforme relatado pelas autoridades locais ao jornal digital El Pitazo, as casas de pelo menos 32.263 famílias foram afetadas e, destas, 1.000 foram danificadas e estão recebendo atenção especial dos governantes.

Rosales, líder de um dos principais partidos de oposição ao governo do presidente Nicolás Maduro, assegurou que os produtores agrícolas são os mais afetados pelas enchentes.

O transbordamento do rio Chama inundou 12.000 hectares de plantações de banana e outros produtos agrícolas, informou o presidente da Associação de Agricultores do município de Colón, Carlos Butacci.

“Na região da capital, estimamos 300% mais cachoeiras para a temporada”
— Nicolás Maduro, presidente de Venezuela

Butacci assumiu que a situação afetará toda a produção alimentar e pecuária da região. “O buraco [na barragem] ainda está aberto, não há muito o que fazer. As obras de infraestrutura têm que esperar a diminuição das chuvas. É uma situação dramática", disse.

As cheias nesses municípios vão prejudicar a produção de alimentos, antecipou. “As bananas vão começar a escassear, vão subir de preço, assim como a carne bovina”, disse. Está prevista uma reunião de autoridades civis de diferentes níveis de governo e militares para solucionar o problema.

Butacci considerou que este ciclo de cheias é “um dos mais fortes” deste século no município de Catatumbo, pelo menos. Ele observou que os sindicatos econômicos da região já haviam alertado sobre o possível transbordamento dos rios e o rompimento de vários trechos das barragens de retenção.

Fontes