Ex-primeiro-ministro do Paquistão diz que haverá uma "revolução suave"

26 de outubro de 2022

link=mailto:?subject=Ex-primeiro-ministro%20do%20Paquistão%20diz%20que%20haverá%20uma%20"revolução%20suave"%20–%20Wikinotícias&body=Ex-primeiro-ministro%20do%20Paquistão%20diz%20que%20haverá%20uma%20"revolução%20suave":%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Ex-primeiro-ministro_do_Paquist%C3%A3o_diz_que_haver%C3%A1_uma_%22revolu%C3%A7%C3%A3o_suave%22%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O ex-primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, diz que sua marcha programada na capital, Islamabad, a partir de sexta-feira, pode desencadear uma "revolução suave".

Khan fez as declarações na terça-feira durante um debate virtual organizado pela Oxford Union do Reino Unido. Ele disse que a marcha começará na cidade oriental de Lahore e se destinará para a capital, pressionando o governo a realizar eleições antecipadas.

"Esta marcha mostrará onde está o povo do Paquistão. E sinto que será um dos maiores movimentos de protesto da história do Paquistão", disse o líder do Tehreek-e-Insaf (PTI). "Será pacífico dentro de nossos direitos constitucionais."

O PTI de Khan administra vários governos regionais, incluindo a província mais populosa de Punjab, da qual Lahore é a capital, e a província de Khyber Pakhtunkhwa, no noroeste.

O político acusou o governo do primeiro-ministro Shehbaz Sharif de desencadear uma repressão à dissidência política e à liberdade de mídia desde que assumiu o cargo. Ele disse que isso levou a uma "mistura de depressão e ódio" no Paquistão.

"Existem duas maneiras de mudar. Você pode ter uma revolução suave por meio das urnas ou de outra maneira, o que causa destruição em uma sociedade", argumentou Khan. "Mas apenas acredito que agora estamos à beira. Ou vamos mudar pacificamente ou temo que isso leve ao caos em nosso país."

Khan foi removido do poder em abril por meio de um voto de desconfiança parlamentar e Sharif, o então líder da oposição, o substituiu como primeiro-ministro.

O líder paquistanês deposto afirmou, sem provas, que a remoção de seu governo foi orquestrada pelos Estados Unidos em conluio com Sharif e os militares do Paquistão, acusações que Washington e Islamabad rejeitam.

Fontes