Estados Unidos se preparam para futuro pós-Roe x Wade

25 de junho de 2022

Quase dos estados (em vermelho) imporá restrições ao aborto nos EU
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Uma decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos ontem que considerou que não há direito constitucional ao aborto gerou um tsunami de emoções nos Estados Unidos. Os conservadores religiosos comemoraram a conquista de um objetivo de longa data, enquanto os defensores do direito ao aborto alertaram que milhões de mulheres estadunidenses agora enfrentarão obstáculos assustadores para receber o que muitos consideram um serviço básico de saúde.

Manifestantes do lado de fora da Suprema Corte aplaudiram, vaiaram e choraram enquanto milhares em todo o país começaram a se preparar para um futuro em que o direito da mulher de abortar uma gravidez – protegido por quase 50 anos pela decisão do tribunal em 1973 em Roe v. Wade – será eliminadoo ou fortemente reduzido em cerca de metade dos 50 estados. Em mais de uma dúzia de estados as restrições ao aborto entraram em vigor quase imediatamente devido a “lei de gatilho” após a decisão da Corte.

Ao todo, de acordo com o Instituto Guttmacher, uma organização de pesquisa em saúde da mulher, eventualmente 26 estados estão “certos ou propensos a proibir o aborto ao máximo possível”. Em alguns estados as medidas proíbem o aborto até em casos de estupro ou incesto e haverá processos criminais contra mulheres e profissionais da saúde que realizarem o procedimento.

Ativistas reagem

“É realmente uma atrocidade”, disse Heather Shumaker, diretora estadual de acesso ao aborto no National Women's Law Center. “Ainda estamos para ver o caos que será desencadeado neste país a partir desta decisão”. “Todos os dias, as mulheres procuram atendimento para abortar”, disse ela à VOA. “Elas precisam da ajuda de suas famílias e amigos e de seus parceiros e provedores de confiança para obter esses cuidados. E o tribunal essencialmente colocou tudo isso em risco com esta decisão. As clínicas vão fechar. Aqueles que ajudam as pessoas a fazer o aborto podem ser ameaçados com ações judiciais, as pessoas serão cada vez mais criminalizadas e policiadas. Eu não acho que o país realmente sabe o que está por vir.”

Por outro lado, Steven Aden, conselheiro geral da Americans United for Life, disse à VOA que experimentou “euforia” quando a decisão foi anunciada e pediu aos defensores do direito ao aborto que aceitassem a decisão. “O movimento pró-vida estende sua mão pelo corredor, para aqueles do lado pró-aborto, e nós os chamamos a reconhecer o que o aborto realmente é e faz com as mulheres e com a vida no útero, para que possamos forjar uma nova América, que não está dividida sobre o direito de matar crianças no útero”, disse ele.

Colcha de retalhos

Ao silenciar o governo federal sobre a questão do aborto e jogar a questão para os estados, a decisão criou uma colcha de retalhos de leis sobre o aborto em todo o país. Espera-se que o procedimento permaneça amplamente disponível no nordeste, na costa do Pacífico e em alguns estados do interior do país, incluindo Illinois, Colorado e Novo México. Nas áreas do extremo sul e centro-oeste, no entanto, haverá pouco ou nenhum acesso a serviços de aborto.

A partir de agora, as mulheres que procurarem atendimento podem ter que enfrentar jornadas de centenas de quilômetros – o que praticamente garante que muitas levarão a termo uma gravidez indesejada. Isso será particularmente verdadeiro para mulheres sem recursos financeiros e sem redes de apoio, população formada principalmente por grupos minoritários, de acordo com o Censo dos EUA.

Haverá também variações entre os estados na forma como as leis de aborto são aplicadas. Em alguns casos, será função das agências de aplicação da lei apresentar acusações contra pessoas que violarem a lei. Em outros estados, incluindo Texas e Oklahoma, a fiscalização é delegada a qualquer cidadão, que terá o direito de processar pessoas envolvidas no procedimento.

Fontes