Estados Unidos chegam aos 10 milhões de casos recuperados do coronavírus

16 de dezembro de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

De acordo com sites que monitoram o número de casos de contágio pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, como Worldometer e o Roylab Stats, ontem (15) os Estados Unidos chegaram ao número 10 milhões de casos recuperados do coronavírus (a COVID-19) que surgiu no país asiático China no ano passado, tornando-se o primeiro país do mundo a chegar número 10 milhões de recuperados. O país norte-americano registrou de acordo com Worldometer 10.007.759 dos casos recuperados da doença COVID-19 contra os 9.873.124 no dia anterior (14 de dezembro), um acréscimo de 134.635 casos recuperados. De acordo com Roylab Stats, o número foi alcançado à 1 hora, 23 minutos e 53 segundos UTC hoje, quando chegou aos 10.002.521 recuperados contra os 9.994.322 na atualização anterior.

Com esse número, os Estados Unidos tornou-se o primeiro país do mundo a atingir a marca de 10 milhões de casos recuperados do coronavírus, a frente de outros países com menos de 10 milhões de casos que chegaram a um milhão: a Índia com 9.455.793, o Brasil com 6.067.862, a Rússia com 2.149.610, a Turquia com 1.661.191, a Argentina com 1.344.300, a Colômbia com 1.328.430, a Itália com 1.137.416 e a Alemanha com 1.003.300. Também está à frente de dez países com menos de 1 milhão de casos recuperados: o México com 938.089, o Peru com 922.314, a Polônia com 879.748, o Irã com 833.276, a África do Sul com 764.977, o Chile com 548.190, a Ucrânia com 522.868, a Indonésia com 516.656, a Chéquia com 511.798 e o Iraque com 496.019.

Os Estados Unidos também seguem na primeira posição dos países em número de mortes (que chega a 311.068 no país), a frente de outros três países com mais de 100 mil casos: o Brasil com 182.854, a Índia com 144.130 e o México com 115.099. Também está à frente de dez países com menos de 100 mil mortes: a Itália com 65.857, o Reino Unido com 64.908, a França com 59.072, o Irã com 52.670, a Espanha com 48.401, a Rússia com 47.968, a Argentina com 33.348, a Colômbia com 32.595, o Peru com 34.840 e Alemanha com 23.692.

Já o número de americanos com casos do vírus é alto e já chega aos 17.143.779 pessoas, seguindo a Índia (9.932.908), o Brasil (2.707.945), a Rússia (2.707.945) e a França (2.391.447). Também está à frente de dez países com mais de 1 milhão de casos: a Turquia (1.898.447), o Reino Unido (1.888.116), a Itália (1.870.576), a Espanha (1.771.488), a Argentina (1.053.313), a Colômbia (1.444.646), o Peru (843.600), a Alemanha (1.378.518), o México (1.267.202), a Polônia (1.147.446) e o Irã (1.123.474).

Os dez estados com mais casos de recuperados são: Texas (1.233.170), Califórnia (California, 694.354), Flórida (Florida, 692.871), Illinois (511.400), Nova Iorque (New York, 455.767), Ohio (404.810), Tennessee (273.144), Wisconsin (256.065), Carolina do Norte (North Carolina, 365.273) e Minnesota (351.820).

Os dez estados com mais casos de mortes são Califórnia (California, 21.477), Nova Iorque (New York, 35.833), Texas (24.890), Flórida (Florida, 20.093), Nova Jersey (New Jersey, 18.005), Illinois (15.587), Pensilvânia (Pennsylvania, 12.968), Michigan (11.495), Massachusetts 11.443 e Geórgia (Georgia, 10.160).

Os dez estados com mais casos de casos são Califórnia (California, 1.653.207), Texas (1.520.038), Flórida (Florida, 1.143.794), Illinois (863,477), Nova Iorque (New York, 834.212), Ohio (579.357), Geórgia (Georgia, 553.995), Pensilvânia (Pennsylvania, 515.568), Michigan (478.171), Tennessee (472.875).

Os Estados Unidos viveram entre fevereiro a abril, onda de surto de contaminação e morte pela doença vinda da China, através de voos domésticos entre a China, Oriente Médio e Europa, obrigando a realizar quarentena em estados, condados e cidades, o que fez mais tarde o país enfrentar problemas internos com o aparecimento da recessão do país após conseguir em 2019 o menor desemprego em 60 anos. Na tentativa reverter os impactos econômicos e sociais, os governos (o federal, os estaduais e os locais) decidiram flexibilizarem as restrições no verão americano entre junho e julho, após casos de contaminados e mortes terem diminuídos.

Os protestos liderados pelo Black Live Matters contra a morte do negro xxxxxxx fizeram aumentar novos surtos de casos nas semanas e meses seguintes. No entanto, no mês de novembro, o número de casos e mortes voltaram a subir no mês que coincide às eleições americanas a chegada do inverno na América do Norte (iniciado em outubro). Desde então, o números de casos do coronavírus superou o auge entre fevereiro a abril, embora recentemente o número de recuperados tenha aumentado e ultrapassado o da Índia.

Em todo o mundo, os casos de coronavírus chegam a 73.803.320, sendo 51.813.957 recuperados e as mortes somam 1.641.440.

Fontes

 
Esta notícia contém reportagem original de um Wikicolaborador.