Pashinyan afirma que outro genocídio pode ocorrer - Outras línguas