Diferenças entre edições de "Chanceler propõe grupo para ajudar governo interino da Venezuela"

(O ficheiro Ernesto_Araújo.jpg teve de ser removido pois foi apagado no Commons por Ruthven: per c:Commons:Deletion requests/File:Ernesto Araújo.jpg)
Etiquetas: Edição via dispositivo móvel Edição feita através do sítio móvel Edição móvel avançada
 
{{Infotabela Brasil}}
O {{wOrigem|Ministériodata=1 dasde Relaçõesfevereiro Exterioresde 2019|local=Brasil}}Hoje (1), o ministro das Relações Exteriores}}, {{w|Ernesto Araújo}} disse hoje (1º) que o {{w|Brasil}} propôs a criação de um grupo interministerial para discutir ações de apoio ao processo de transição política na {{w|Venezuela}}, sob coordenação Casa Civil. O objetivo éera debaterdiscutir medidas para ajudar o governo interino da Venezuela do presidentede {{w|Juan Guaidó}}, incluindo ajudaassistência humanitária ao país vizinho, assim comoe sanções contra ao gestãogoverno do presidentede {{w|Nicolás Maduro}}.
 
O {{w|Chanceler|chanceler}} disse que não há um “prazo” para efetivaçãoconcretizar daa propostaideia. “[O grupo] ainda não está estabelecido, esperamos que possa ser em breve”, disse Araújo, que justificou a existência da proposta como uma resposta de apoio do governo brasileiro à Guaidó.
{{Origem|data=1 de fevereiro de 2019|local=Brasil}}
'''Chanceler propõe grupo para ajudar governo interino da Venezuela'''
 
O {{w|Ministério das Relações Exteriores|ministro das Relações Exteriores}}, {{w|Ernesto Araújo}} disse hoje (1º) que o {{w|Brasil}} propôs a criação de um grupo interministerial para discutir ações de apoio ao processo de transição política na {{w|Venezuela}}, sob coordenação Casa Civil. O objetivo é debater medidas para ajudar o governo interino da Venezuela do presidente {{w|Juan Guaidó}}, incluindo ajuda humanitária ao país vizinho, assim como sanções contra a gestão do presidente {{w|Nicolás Maduro}}.
 
O {{w|Chanceler|chanceler}} disse que não há um “prazo” para efetivação da proposta. “[O grupo] ainda não está estabelecido, esperamos que possa ser em breve”, disse Araújo, que justificou a existência da proposta como uma resposta de apoio do governo brasileiro à Guaidó.
 
Uma série de medidas está sendo analisada para a Venezuela. Na lista, estão o incremento da ajuda humanitária à Venezuela, a renegociação de dívidas ou alargamento do prazo para o pagamento e até um possível congelamento de bens de autoridades venezuelanas ligadas ao governo de Nicolás Maduro, além de outras sanções específicas que, de acordo com o ministro, favoreçam a troca de poder na Venezuela.
 
“Teríamos que ver se é compatível, antes de mais nada, com a legislação brasileira e se seria útil para acelerar a transição Isso dependeria de uma discussão política e, de outro lado, de como fazer esse procedimento dentro da legislação brasileira e das normas internacionais, uma coordenação que vai além do Itamaraty”, disse Araújo. “O principal é a questão diplomática continuada em favor da transição democrática, independentemente dos instrumentos específicos”, acrescentou.
 
Em relação à ajuda humanitária, oO chanceler disse que o Brasil, está conversandojuntamente com autoridades daa {{w|Colômbia}}, eprestará queajuda ohumanitária país poderia coordenar esseà processoVenezuela. “Espero que essa logística, uma vez resolvida, não tivesse seu trânsito na Venezuela impedido por elementos ligados ao regime de Maduro”, disse.
== Dívidas ==
Com relação à dívida venezuelana, Araújo disse que é preciso discutir com as autoridades financeiras como o Banco Central. Uma possibilidade seria a reestruturação da dívida que os venezuelanos contraíram no Brasil com o {{w|Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social}} (BNDES).
 
=== Grupo de Lima ===
No final de dezembro, Nicolás Maduro chegou a fazer uma proposta de reescalonamento dessa dívida, que soma US$ 795 milhões. “No momento não estamos com propostas concretas na mesa para o equacionamento dessa dívida”, disse Araújo.
O tema será uma das pautas da reunião do chamado {{w|Grupo de Lima}} - {{w|Argentina}}, {{w|Brasil}}, {{w|Canadá}}, {{w|Chile}}, {{w|Colômbia}}, {{w|Costa Rica}}, {{w|Guatemala}}, {{w|Honduras}}, {{w|México}}, {{w|Panamá}}, {{w|Paraguai}}, {{w|Peru}}, {{w|Guiana}} e {{w|Santa Lúcia}}.
 
Na próxima segunda-feira (4), o grupo se reúne novamente em Ottawa, ({{w|Canadá), para tratar de formas de apoio à tentativa de Guaidó de formar um novo governo}}. “Não temos especificamente nenhuma proposta. Nossa posição é de continuar dando o apoio máximo às iniciativas do processo de transição democrática na Venezuela”, disse.
Em relação à ajuda humanitária, o chanceler disse que o Brasil está conversando com autoridades da {{w|Colômbia}} e que o país poderia coordenar esse processo. “Espero que essa logística, uma vez resolvida, não tivesse seu trânsito na Venezuela impedido por elementos ligados ao regime de Maduro”, disse.
 
== Grupo de Lima ==
O tema será uma das pautas da reunião do chamado {{w|Grupo de Lima}} - {{w|Argentina}}, {{w|Brasil}}, {{w|Canadá}}, {{w|Chile}}, {{w|Colômbia}}, {{w|Costa Rica}}, {{w|Guatemala}}, {{w|Honduras}}, {{w|México}}, {{w|Panamá}}, {{w|Paraguai}}, {{w|Peru}}, {{w|Guiana}} e {{w|Santa Lúcia}}.
 
Na próxima segunda-feira (4), o grupo se reúne novamente em Ottawa (Canadá), para tratar de formas de apoio à tentativa de Guaidó de formar um novo governo. “Não temos especificamente nenhuma proposta. Nossa posição é de continuar dando o apoio máximo às iniciativas do processo de transição democrática na Venezuela”, disse.
 
=== Críticas ===
Na entrevista, o chanceler fez duras críticas a Maduro. “Havia uma política deliberada de fazer o povo passar fome, de negar tratamento médico e outros cuidados para sujeitar a população. O regime era parte de um esquema internacional que, em determinado momento, imaginou que poderia ganhar o poder sobre toda a América latina”, disse.
Na entrevista coletiva, o chanceler fez críticas duras a Maduro. Segundo ele, o venezuelano deve ser responsabilizado por uma série de ações criminosas, inclusive o que chamou de “genocídio silencioso”. Também afirmou que Maduro tem ligações com o {{w|narcotráfico}}, {{w|crime organizado}} e {{w|terrorismo}}.
 
“Esperamos que a saída de Maduro seja a porta da rua de alguma maneira. O Brasil não está envolvido em negociar, formatar o que seria essa saída, entendemos que essa seria a função desse novo quadro democrático que está se formando na Venezuela. Se nos for pedido um tipo de apoio veremos o que é possível sair. O final da crise só virá com a deposição completa do regime atual”, afirmou o chancelar.
“Havia uma política deliberada de fazer o povo passar fome, de negar tratamento médico e outros cuidados para sujeitar a população. O regime era parte de um esquema internacional que, em determinado momento, imaginou que poderia ganhar o poder sobre toda a América latina”, disse.
 
O chanceler disse que o governo só vai “aceitar” o trabalho dos grupos de contato se eles trabalharem para o não reconhecimento da legitimidade de Maduro como presidente venezuelano. “Desviar atenção do foco central e dar espaço para o regime respirar e conseguir mais um mês... ganhar tempo para nós não seria aceitável”, disseafirmou.
== Pressão ==
{{Opine}}
Nos últimos dias, a pressão internacional contra o governo Maduro aumenta. Ontem (31) a {{w|União Europeia}} que reconheceu o deputado federal Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela e recomendou aos países da região seguirem o mesmo sentido.
 
A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, anunciou a criação de um Grupo de Contato de países europeus e latino-americanos para trabalhar por uma saída da crise na Venezuela através de eleições. O grupo terá duração de 90 dias.
 
“Esperamos que a saída de Maduro seja a porta da rua de alguma maneira. O Brasil não está envolvido em negociar, formatar o que seria essa saída, entendemos que essa seria a função desse novo quadro democrático que está se formando na Venezuela. Se nos for pedido um tipo de apoio veremos o que é possível sair. O final da crise só virá com a deposição completa do regime atual”, afirmou.
 
O chanceler disse que o governo só vai “aceitar” o trabalho dos grupos de contato se eles trabalharem para o não reconhecimento da legitimidade de Maduro como presidente venezuelano. “Desviar atenção do foco central e dar espaço para o regime respirar e conseguir mais um mês... ganhar tempo para nós não seria aceitável”, disse.
{{Opinião}}
 
== Fonte ==
| data = 1 de fevereiro de 2019
}}
{{Agência Brasil}}
{{Publicado}}
{{Arquivada}}
[[Categoria:NotíciasNicolás Maduro]]
 
[[Categoria:Notícias]]
[[Categoria:Mundo]]
[[Categoria:Brasil]]
[[Categoria:Ernesto Araújo]]
[[Categoria:Juan Guaidó]]
[[Categoria:Argentina]]
[[Categoria:Canadá]]
[[Categoria:MundoChile]]
[[Categoria:Colômbia]]
[[Categoria:Costa Rica]]
[[Categoria:Guatemala]]
[[Categoria:Honduras]]
[[Categoria:México]]
[[Categoria:Panamá]]
[[Categoria:Paraguai]]
[[Categoria:Peru]]
[[Categoria:Guiana]]