Diferenças entre edições de "Wikinotícias entrevista Cecilia Curbelo, comunicadora e escritora"

m
Protegió «Wikinoticias entrevista a Cecilia Curbelo, comunicadora y escritora»: Política de archivado ([Editar=Solo permitir administradores] (indefinido) [Pueden trasladar=Solo permitir administradores] (indefinido))
m
m (Protegió «Wikinoticias entrevista a Cecilia Curbelo, comunicadora y escritora»: Política de archivado ([Editar=Solo permitir administradores] (indefinido) [Pueden trasladar=Solo permitir administradores] (indefinido)))
{{datafecha|27 de outubrooctubre de 2014}}
[[Imagem:Cecilia Curbelo 2014.JPG|200px|thumb|left|{{w|Cecilia Curbelo}} em 2014 {{fonte-img|Marinna|{{w|Wikimedia Commons}}}}]]
{{Literatura}}
[[ImagemArchivo:Cecilia Curbelo 2014.JPG|200px|thumb|left|{{w|Cecilia Curbelo}} emen 2014 {{fontefuente-img|Marinna|{{w|Wikimedia Commons}}}}]]
{{data|27 de outubro de 2014}}
Wikinotícias entrevistou a {{w|Cecilia Curbelo}}, comunicadora, {{w|Edição de livros|editora}} e {{w|escritora}} {{w|uruguaia}}. Autora de {{w|Cecilia_Curbelo#Livros|vários livros}}, comparte sua opinião sobre a motivação da leitura em crianças e adolescentes, para chegar a ''"dar com os livros que a eles os pegam, que podem ser diferentes aos que nós acreditamos que os podem gostar"'' porque ''"na variedade está a riqueza"''.
 
WikinotíciasWikinoticias entrevistouentrevistó a {{w|Cecilia Curbelo}}, comunicadora, {{w|EdiçãoEdición de livroslibros|editora}} ey {{w|escritora}} {{w|uruguaiauruguaya}}. Autora de {{w|Cecilia_Curbelo#LivrosLibros|váriosvarios livroslibros}}, comparte suasu opiniãoopinión sobre ala motivaçãomotivación de dala leituralectura emen criançasniños ey adolescentes, para chegarllegar a ''"dar comcon oslos livroslibros que a elesellos osles pegamatrape, que podempueden ser diferentes aosa los que nósnosotros acreditamoscreemos que osles podempodrían gostargustar"'' porque ''"naen variedadela variedad está ala riqueza"''.
{{Perg|Wikinotícias}} '''Como descobriu você que queria dedicar-se a escrever?'''
 
{{Preg|Wikinoticias}} '''¿Cómo descubrió usted que quería dedicarse a escribir?'''
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Não foi um descobrimento se não um sonho... Aos seis anos quando aprendi a ler e a escrever me imensa no mundo dos livros e comecei a criar minhas próprias histórias, relatos curtos e breves, baseados principalmente no que via pela televisão naquela época que eram desenhos animados japoneses, com guiões (roteiros) muito trágicos ({{w|Candy Candy|Candy}}, {{w|Marco (anime)|Marco}}, entre outros). E o sonho de ser escritora nasceu... porém sempre acreditei que tão só seria isso: um sonho. Comecei a ir a um trailer literário aos 12 anos. Mi vida estevo desde sempre marcada pelo literário.
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} NãoNo foifue umun descobrimentodescubrimiento sesino nãoun um sonhosueño... AosA los seis anosaños quandocuando aprendiaprendí a lerleer ey a escreverescribir me imensasumergí noen el mundo dosde los livroslibros ey comeceicomencé a criarcrear minhasmis própriaspropias históriashistorias, relatos curtoscortos ey breves, baseadosbasados principalmente noen lo que viaveía por pelatelevisión televisãoen naquelaaquella época que erameran desenhos animadosdibujitos japoneses, comcon guiões (roteiros)guiones muitomuy trágicos ({{w|Candy Candy|Candy}}, {{w|Marco (anime)|Marco}}, entre outrosotros). EY oel sonhosueño de ser escritora nasceunació... porémpero sempresiempre acrediteicreí que tãotan sólo seriasería issoeso: umun sonhosueño. ComeceiComencé a ir a umun trailertaller literárioliterario aosa los 12 anosaños. Mi vida estevoestuvo desde sempresiempre marcada pelopor lo literárioliterario.
{{Perg|Wikinotícias}} '''Ser editora de uma revista para adolescentes ajuda a estar em contato com esse universo?'''
{{PergPreg|WikinotíciasWikinoticias}} '''¿Ser editora de umauna revista para adolescentes ajuda ayuda a estar emen contatocontacto comcon esseese universo?'''
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} EmEn umun inícioprincipio sim. AgoraAhora te diriadiría que da igual porque oel contatocontacto olo tenhotengo atravésa través de daslas {{w|redes sociaissociales}}. Algo interessanteinteresante ées que oal inícioprincipio, hace unsunos anosaños, me conheciamconocían como ala editora dade la revista. AgoraAhora ala maioriamayoría nemni sabe que sousoy editora dade la Revista Upss!... Conhecemconocen oslos livroslibros ey me conhecemconocen por issoeso, y realmente ées una alegriaalegría imensainmensa haver-mehaberme despegado porque tanto ala revista como oslos livroslibros sãoson produtosproductos que têmtienen que ver comcon ala escritura porémpero estãoestán sumamente longealejados lo aouno umde dolo outrootro. EmEn temáticas, emen estética, emen ritmos, em¡en tudotodo!
 
{{PergPreg|WikinotíciasWikinoticias}} '''SeusSus livroslibros abordamabordan temas como divórciodivorcio, drogas, álcool,alcohol ¿hay que por-losponerlos sobre ala mesa?'''
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} A mim me parece que hay que porponer sobre ala mesa todo olo que toque aoal mundo adolescente. OsLos temas que lhesles preocupa, lhesles chegallega, oslos comoveconmueve. EY hay que fazer-lohacerlo de una maneiramanera informal porémpero diretadirecta. ALa forma de comunicar temtiene que ser diferente àa la que se usavausaba hace anosaños porque ala maneiramanera de compreendercomprender ey assimilarasimilar ées outraotra. Captar issoeso, creiocreo que es essencialesencial para poder abrir umun diálogo.
 
{{PergPreg|WikinotíciasWikinoticias}} '''Como¿Cómo ées apresentarpresentar seussus livroslibros emen outrosotros países, aslas problemáticas adolescentes se repetemrepiten noen el mundo?'''
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} ÉEs interessantíssimointeresantísimo. TenhoHe apresentadopresentado livroslibros naen [[Argentina]], [[México]], [[Costa Rica]], [[Guatemala]], [[Panamá]], [[Paraguai]]Paraguay, entre outrosotros, ey emen cada caso me assombroasombro de comocómo oslos leitoreslectores se identificamidentifican tanto comcon aslas problemáticas que planteiplanteo nasen las novelas. AssimAsí que ala respostarespuesta ées sim, se repetemrepiten noen el mundo... De repente emen outrosotros lugares hay algunsalgunos temas que acá nãono nos sãoson tãotan alegadosallegados, como aslas ganguespandillas, porémpero oel álcoolalcohol, ala droga, oslos amores nãono correspondidos, oslos desordensdesórdenes alimentíciosalimenticios, oel divórciodivorcio, ala fidelidadefidelidad naen amizadela amistad, ala depressãodepresión... enfimen fin, sãoson temáticas que estãoestán presente emen todos oslos estratos sociaissociales de daslas diversas culturas que me ha tocado chegarllegar.
 
{{PergPreg|WikinotíciasWikinoticias}} '''Qual¿Cuál ées ala responsabilidaderesponsabilidad de escreverescribir para adolescentes, influiinfluye noen lo que escreveescribe tertener umauna adolescente pertocercana? '''
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} ALa responsabilidaderesponsabilidad ées enorme porque elesellos buscambuscan umun referente sempresiempre. ÀsA vezesveces olo encontramencuentran emen umun cantorcantante, outrasotras emen umun escritor. NecessitamNecesitan ver-severse ey sentir-sesentirse refletidosreflejados emen alguémalguien. EY emen meumi caso, que poderiapodría ser suasu mãemadre pelapor diferençala diferencia de idadeedad, es aindaaún maismás fortefuerte oel vínculo. PortantoPor lo tanto cada palavrapalabra que digo ouo reflexãoreflexión que realizo, está baixobajo ala lupa nãono sólo de meusmis leitoreslectores massino tambémtambién dosde los paispadres, avósabuelos ey adultos envolvidosinvolucrados comcon oslos leitoreslectores. PessoalmentePersonalmente nãono me influiinfluye para nada oel tertener una filhahija adolescente. De fatohecho elaella ées completamente atípica àa maioriala mayoría, ey quandocuando comeceicomencé a escreverescribir para essaesa idadeedad era apenas una meninaniña.
 
{{PergPreg|WikinotíciasWikinoticias}} '''¿Se identifica maismás comcon personagenspersonajes de fantasiafantasía ouo personagenspersonajes maismás pertocercanos àa realidadela realidad? '''
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Más cercanos a la realidad. Me alejo lo más que puedo de personajes de fantasía. No estoy en contra, pero no me atraen. Tengo que sentir que el personaje puede atravesar determinada situación, y por lo tanto el personaje y la situación tienen que ser creíbles. Soy muy terrenal así que no creería nada que tenga que ver con vampiros, hechizos y demás.
 
{{Preg|Wikinoticias}} '''¿Se conectan los personajes de todos sus libros?'''
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Mais perto à realidade. Me alieno o mais que posso dos personagens de fantasia. Não estou em contra, porém não me atraem. Tenho que sentir que o personagem pode atravessar determinada situação e portanto o personagem e a situação têm que ser credível. Sou muito terrena assim que não acreditaria nada que tenha que ver com vampiros, feitiços e demais.
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} NãoNo. OLo único que liga umun libro comcon outrootro (emboraaunque aslas históriashistorias se podempueden lerleer de forma independenteindependiente ey emen diferente ordemorden) ées que ala protagonista de una novela foifue nomeadanombrada naen la anterior. PodePuede haverhaber tidotenido umun papel importante como uno muitomuy, muitomuy secundáriosecundario. ALa idéiaidea ées transmitir que todos, absolutamente todos teremostenemos algo que contar. Desde ala persona que nos cruzamos emen umun ascensor àa la prima irmãhermana.
{{Perg|Wikinotícias}} '''Se conectam os personagens de todos seus livros?'''
 
{{PergPreg|WikinotíciasWikinoticias}} '''Que¿Qué se sentesiente ser íconeicono de una geraçãogeneración de adolescentes?'''
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Não. O único que liga um libro com outro (embora as histórias se podem ler de forma independente e em diferente ordem) é que a protagonista de una novela foi nomeada na anterior. Pode haver tido um papel importante como uno muito, muito secundário. A idéia é transmitir que todos, absolutamente todos teremos algo que contar. Desde a persona que nos cruzamos em um ascensor à prima irmã.
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Que¡Qué pregunta difícil de contestar! EY digo "difícil" porque nãono sei si me considero dessade esa maneiramanera... NãoNoquequé sintosiento, porémpero se poderiapodría decidirdecir que muitíssimamuchísima alegriaalegría quandocuando me comentamcomentan, tanto paispadres como leitoreslectores, que graçasgracias a mi ouo a meusmis livroslibros, seussus filhoshijos ouo elesellos se correrá riscoarriesgarán a estudarestudiar para ser escritores tambémtambién. ÉEs como que antes, de repente, haviahabía umauna idéiaidea de que acá emen [[Uruguai]]Uruguay nãono se podiapodía. NãoNo se podiapodía ser guionista (roteirista), nãono se podiapodía ser músico, nãono se podiapodía... EY de umun tempotiempo a esta parte, muitosmuchos temoshemos ido tirando abaixoabajo essasesas barreirasbarreras ey demostrando que sim se podepuede. Que teremostenemos muitomucho para oferecerofrecer ey que comcon perseverançaperseverancia podemos alcançarlograr aquiloaquello que pareciaparecía impossívelimposible.
{{Perg|Wikinotícias}} '''Que se sente ser ícone de una geração de adolescentes?'''
 
{{Preg|Wikinoticias}} '''¿Cómo ves la vida de los adolescentes en {{w|Uruguay}}, donde los mayores tiene más presencia en los medios de comunicación?'''
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Que pregunta difícil de contestar! E digo "difícil" porque não sei si me considero dessa maneira... Não sé que sinto, porém se poderia decidir que muitíssima alegria quando me comentam, tanto pais como leitores, que graças a mi ou a meus livros, seus filhos ou eles se correrá risco a estudar para ser escritores também. É como que antes, de repente, havia uma idéia de que acá em [[Uruguai]] não se podia. Não se podia ser guionista (roteirista), não se podia ser músico, não se podia... E de um tempo a esta parte, muitos temos ido tirando abaixo essas barreiras e demostrando que sim se pode. Que teremos muito para oferecer e que com perseverança podemos alcançar aquilo que parecia impossível.
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} OLa veioveo comcon maioresmayores possibilidadesposibilidades de desenvolvimentodesarrollo que aslas que tivetuve euyo, quandocuando ala sociedadesociedad te decidiadecía que para terser "êxitoexitoso" teriastenías que estudarestudiar medicina, advogaciaabogacía ouo ser contador. HojeHoy têmtienen umun ventiladorabanico maismás amploamplio. EY oel feitohecho de que hajahaya muitosmuchos maioresmayores nosen meioslos medios de comunicaçãocomunicación, nãono sei si ées tãotan assimasí. CreioCreo que ala presençapresencia de gente jovemjoven está tomando seusu lugar tambémtambién ey ala mesclamezcla ées interessanteinteresante, todos aprendemaprenden de todos.
{{Perg|Wikinotícias}} '''Como vês a vida dos adolescentes no [[w:Uruguai|Uruguai]], onde os maiores têm mais presença nos meios de comunicação?'''
 
{{Preg|Wikinoticias}} '''¿Son sus libros para que también lean los padres, y queden inmersos la otra cara de los adolescentes?'''
{{Resp|Cecilia Curbelo}} O veio com maiores possibilidades de desenvolvimento que as que tive eu, quando a sociedade te decidia que para ter "êxito" terias que estudar medicina, advogacia ou ser contador. Hoje têm um ventilador mais amplo. E o feito de que haja muitos maiores nos meios de comunicação, não sei si é tão assim. Creio que a presença de gente jovem está tomando seu lugar também e a mescla é interessante, todos aprendem de todos.
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Sim. EmboraAunque euyo oslos escrevoescribo para oslos adolescentes, hay umun piscadelaguiño sempresiempre para oslos papaispapás. EY por issoeso oel vínculo que formamos ées belohermoso, transcendetrasciende aoal relato ey passapasa a ser humano, familiar. QuandoCuando umauna mãemadre ouo umun paipadre me escreveescribe para dizer-medecirme que comcon tal tema de umauna novela puderampudieron retomar oel diálogo comcon seussus filhoshijos es como... bombueno, indescritívelindescriptible. AtravésA dostravés livrosde los libros que leemleen teustus filhoshijos podespodés (semsin dúvidadudas) entender-losentenderlos maismás ey acercar-teacercarte de outraotra forma, como diziadecía antes, maismás informalmente, olo que fazhace umun diálogo maismás sincero ey menos acartonadaacartonado.
{{Perg|Wikinotícias}} '''São seus livros para que também leiam os pais e permanecer imersos a outra cara dos adolescentes?'''
 
{{Preg|Wikinoticias}} '''¿Recibió críticas de algunos padres que leyeron sus el libros?'''
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Sim. Embora eu os escrevo para os adolescentes, há um piscadela sempre para os papais. E por isso o vínculo que formamos é belo, transcende ao relato e passa a ser humano, familiar. Quando uma mãe ou um pai me escreve para dizer-me que com tal tema de uma novela puderam retomar o diálogo com seus filhos es como... bom, indescritível. Através dos livros que leem teus filhos podes (sem dúvida) entender-los mais e acercar-te de outra forma, como dizia antes, mais informalmente, o que faz um diálogo mais sincero e menos acartonada.
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Sim, receborecibo emen forma permanente. Por sortesuerte atéhasta agoraahora sempresiempre tãohan sido positivos, de feitohecho me fazemhacen lagrimear doisdos por trêstres. Hay históriashistorias que sãoson muitomuy fortesfuertes. ComCon oel livrolibro de ''La Confesión de Micaela'' (''Arecibí Confissãoun de Micaela'', em espanhol) recebi um montãomontón de mensagensmensajes de agradecimentoagradecimiento de paispadres que, atravésa través dodel libro, seussus filhoshijos buscarambuscaron ajudaayuda para tratar seussus problemas de {{w|anorexia}} ouo {{w|bulimia}}, que seussus padres ignoravamignoraban atéhasta oel momento. TambémO ostambién próprioslos paispropios padres logoluego de lerleer ala novela se perceberampercataron que haviahabía similitudes noen el comportamentocomportamiento de suasu filhahija ouo filhohijo comcon ala protagonista, ey de ahí começaramcomenzaron umun trabalhotrabajo familiar para superar ala problemática. SãoSon coisascosas que, como escritor, nãono te esquecerasolvidás maismás. IssoEsos sãoson oslos verdadeirosverdaderos prêmiospremios.
{{Perg|Wikinotícias}} '''Recebeu críticas de alguns pais que leiram os seus livros?'''
 
{{Preg|Wikinoticias}}'''¿Qué libro leyó últimamente que le gustó?'''
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Sim, recebo em forma permanente. Por sorte até agora sempre tão sido positivos, de feito me fazem lagrimear dois por três. Há histórias que são muito fortes. Com o livro de ''La Confesión de Micaela'' (''A Confissão de Micaela'', em espanhol) recebi um montão de mensagens de agradecimento de pais que, através do libro, seus filhos buscaram ajuda para tratar seus problemas de {{w|anorexia}} ou {{w|bulimia}}, que seus padres ignoravam até o momento. Também os próprios pais logo de ler a novela se perceberam que havia similitudes no comportamento de sua filha ou filho com a protagonista e de aí começaram um trabalho familiar para superar a problemática. São coisas que, como escritor, não te esqueceras mais. Isso são os verdadeiros prêmios.
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} UiUy, ées complicado elegerelegir umuno solo porque leioleo umun par de livroslibros àa la semana. SouSoy aditaadicta àa la leituralectura. ALa semana passadapasada termineiterminé de lerleer ''Mueros Acáacá Nomás'' (''Mortos Aqui Nunca Maisnomás'', em espanhol), dode meumi colega ey compatriota César Bianchi. UmUn livrolibro excelente. OntemAyer termineiterminé ''{{w|PaperCiudades Townsde papel}}'' (''Cidades de Papel'', em inglês), de {{w|John Green}}. EmboraMe eugustó gosteiaunque nãono ambostanto como ''{{w|LookingBuscando fora Alaska}}'' (''Busca Por Alasca'', em inglês) ouo ''{{w|TheBajo Faultla inmisma Our Starsestrella}}'' (''A Culpa É das Estrelas'', em inglês). EY agoraahora estouestoy lendoleyendo oel último de {{w|Gioconda Belli}}, ''{{w|El Intensointenso Calorcalor de la Lunaluna}}'' (''O Intenso Calor da Lua'', em espanhol).
{{Perg|Wikinotícias}}'''Que livro leu ultimamente que lhe gostou?'''
 
{{PergPreg|WikinotíciasWikinoticias}}'''Como¿Cómo se podepuede acercar àsa criançaslos eniños y adolescentes ante tanto estímulo digital, para que leiamlean ey quequé lhesles recomendarecomienda?'''
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Ui, é complicado eleger um só porque leio um par de livros à semana. Sou adita à leitura. A semana passada terminei de ler ''Mueros Acá Nomás'' (''Mortos Aqui Nunca Mais'', em espanhol), do meu colega e compatriota César Bianchi. Um livro excelente. Ontem terminei ''{{w|Paper Towns}}'' (''Cidades de Papel'', em inglês), de {{w|John Green}}. Embora eu gostei não ambos como ''{{w|Looking for Alaska}}'' (''Busca Por Alasca'', em inglês) ou ''{{w|The Fault in Our Stars}}'' (''A Culpa É das Estrelas'', em inglês). E agora estou lendo o último de {{w|Gioconda Belli}}, ''{{w|El Intenso Calor de la Luna}}'' (''O Intenso Calor da Lua'', em espanhol).
 
{{Resp|Cecilia Curbelo}} EuYo recomendorecomiendo que nunca se oslos obrigueobligue a lerleer. ÉEs umun erroerror... SeSi lhesles impor-nosimponemos algo, olo vãovan a detestar emenseguida seguidasólo por peloel simplessimple fastohecho de que sejasea umauna imposiçãoimposición. A mi me parece que oel que elesellos nos vejamvean lerleer ées umauna forma de que tambémtambién aprendamaprendan ey aprendamaprehendan. PorémPero tambémtambién si hay umun libro que trata sobre algumaalguna problemática que estãoestán vivendoviviendo, podemos como de forma casual ler-lhesleerles emen voz alta umun parágrafopárrafo ey deixardejar oel livrolibro ahí cerquita. OEl tema ées dar comcon oslos livroslibros que a elesellos lhesles armadilhaatrape, que podempueden ser diferentes aosa los que nósnosotros acreditamoscreemos que lhesles poderiampodrían gostargustar. SemSin ir maismás longelejos, minhami filhahija lerlee livroslibros de {{w|Ficçãociencia científicaficción|ficçãoficción}} que euyo nãono entendoentiendo comocómo lhele atraiatrae, ¡porque sãoson dosde los que corrohuyo! PorémPero... naen variedadela variedad está ala riqueza ey noen el respeitorespeto a essaesa variedadevariedad está ala feliz convivênciaconvivencia, que começacomienza emen la casa, naen famíliala efamilia, y se mudatraslada logoluego a toda ala sociedadesociedad.
{{Perg|Wikinotícias}}'''Como se pode acercar às crianças e adolescentes ante tanto estímulo digital, para que leiam e que lhes recomenda?'''
 
{{opineopina}}
{{Resp|Cecilia Curbelo}} Eu recomendo que nunca se os obrigue a ler. É um erro... Se lhes impor-nos algo, o vão a detestar em seguida só pelo simples fasto de que seja uma imposição. A mi me parece que o que eles nos vejam ler é uma forma de que também aprendam e aprendam. Porém também si há um libro que trata sobre alguma problemática que estão vivendo, podemos como de forma casual ler-lhes em voz alta um parágrafo e deixar o livro aí cerquita. O tema é dar com os livros que a eles lhes armadilha, que podem ser diferentes aos que nós acreditamos que lhes poderiam gostar. Sem ir mais longe, minha filha ler livros de {{w|Ficção científica|ficção}} que eu não entendo como lhe atrai, porque são dos que corro! Porém... na variedade está a riqueza e no respeito a essa variedade está a feliz convivência, que começa em casa, na família e se muda logo a toda a sociedade.
 
== FontesFuentes ==
{{interprojetosinterproyectos|nomenombre =Cecilia Curbelo |wikipedia =Cecilia Curbelo |commons = }}
{{reportagemreportaje original|left}}
{{tradução|es|Wikinoticias entrevista a Cecilia Curbelo, comunicadora y escritora|417618|28 de outubro de 2014}}
 
{{opine}}
{{Publicadopublicado}}
 
[[CategoriaCategoría:Cecilia Curbelo]]
[[CategoriaCategoría:Entrevistas]]
[[CategoriaCategoría:Literatura]]
[[Categoria:Argentina]]
[[Categoría:Uruguay]]
[[Categoria:Costa Rica]]
[[Categoría:Sudamérica]]
[[Categoria:Guatemala]]
[[Categoria:México]]
[[Categoria:Panamá]]
[[Categoria:Paraguai]]
[[Categoria:Uruguai]]
[[Categoria:América do Sul]]
[[Categoria:América Latina]]
4 629

edições