EUA sancionam a polícia da Reserva Central do Sudão por violações de direitos humanos

21 de março de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os Estados Unidos impuseram sanções na segunda-feira à Polícia da Reserva Central do Sudão (CRP) por graves violações de direitos humanos contra manifestantes pacíficos que demonstraram publicamente suas fortes objeções ao golpe militar no país.

O Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) do Departamento do Tesouro dos EUA disse em comunicado que o CRP usou “força excessiva” contra manifestantes pacíficos em Cartum.

O comunicado citou o grupo por disparar munição real contra civis em janeiro, onde um manifestante foi baleado e morreu mais tarde.

O CRP esteve na linha de frente da resposta militar do Sudão aos protestos que ocorreram depois que os militares derrubaram o governo de transição liderado por civis no Sudão em outubro passado.

“Condenamos os serviços de segurança do Sudão por matar, assediar e intimidar cidadãos sudaneses. Essas ações estão exacerbando a crise no Sudão e são uma contradição direta com o compromisso declarado dos serviços de segurança sudaneses de participar de forma construtiva em um processo facilitado para resolver a crise política do Sudão e retornar a uma transição democrática”, disse Brian E. Nelson, subsecretário do tesouro para o terrorismo e inteligência financeira.

As forças conjuntas do governo sudanês, lideradas pelo chefe do Exército Abdel Fattah al-Burhan, mataram pelo menos 82 manifestantes durante as manifestações contra o golpe militar desde outubro, informou a Agence France-Presse.

O golpe de outubro prejudicou os acordos de compartilhamento de poder entre civis e o exército que negociam desde a derrubada de Omar al-Bashir em 2019, o ditador linha-dura que governou o país por quase 30 anos.

Como resultado das sanções impostas, “todos os bens e interesses em propriedade do CRP que estejam ou entrem nos Estados Unidos, ou que estejam na posse ou controle de pessoas dos EUA, estão bloqueados e devem ser relatados ao OFAC”.

Esta é a primeira vez que os EUA impõem sanções a uma instituição sudanesa após a queda do antigo regime de al-Bashir.

Fontes