EUA e ONU condenam execuções em Mianmar

26 de julho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou os militares de Mianmar pela execução de quatro ativistas pró-democracia.

O secretário-geral Guterres fez esta declaração em um comunicado divulgado pelo vice-porta-voz da ONU Farhan Haq no dia 25, enfatizando que ele "se opõe à execução da pena de morte em qualquer circunstância".

Guterres, em particular, disse que a execução "agravará ainda mais o já severo ambiente de direitos humanos em Mianmar" e "reitera o pedido para a libertação imediata de todos os prisioneiros detidos arbitrariamente, incluindo o presidente Yun Min e a conselheira de Estado Aung San Suu Kyi". .

O governo dos EUA também criticou fortemente os militares de Mianmar pela mudança.

A porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse em um briefing: "Pedimos aos nossos aliados e parceiros que intensifiquem a pressão sobre os militares e seus apoiadores e se juntem a eles na condenação das ações do regime militar".

Em uma declaração separada, o secretário de Estado Tony Blincoln condenou fortemente "esses atos violentos demonstram o desrespeito do sistema [militar] pelos direitos humanos e pelo estado de direito".

Mais cedo, a mídia local informou no dia 25 que os militares de Mianmar haviam enforcado quatro pessoas, incluindo um ex-membro da oposição Liga Nacional para a Democracia (NLD) e um ativista pró-democracia.

O jornal estatal Global New Light of Myanmar informou que no mesmo dia, o ex-legislador Pioseya Tat e o ativista pró-democracia Cho Min-yu foram executados.

Fontes