EUA deportam suposto assassino de 3 pessoas trans para o Paquistão

29 de julho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Os Estados Unidos deportaram um homem para o Paquistão, onde ele era procurado por supostamente assassinar três pessoas transgênero depois de agredi-las sexualmente.

O escritório de Operações de Execução e Remoção (ERO) da agência de imigração dos EUA em Nova York disse em comunicado na quinta-feira que deportou o fugitivo Ahmad Bilal Cheema em 12 de julho por meio de um voo comercial para seu país de origem, onde foi entregue às autoridades policiais paquistanesas.

Autoridades no Paquistão não comentaram imediatamente o anúncio do ERO.

O homem de 42 anos, juntamente com dois cúmplices, supostamente assassinou três pessoas em novembro de 2008 em Sialkot, um distrito industrial na província central de Punjab, antes de fugir para os Estados Unidos semanas depois, segundo a polícia paquistanesa.

O ERO disse que Cheema “é procurado por assassinato no Paquistão. De acordo com a polícia paquistanesa, Cheema, juntamente com dois cúmplices, supostamente assassinou três pessoas por volta de 5 de novembro de 2008.”

Acrescentou que o cidadão paquistanês entrou nos EUA legalmente em 24 de janeiro de 2009, semanas antes de “ser preso e acusado de operar um veículo motorizado sob influência”.

Cheema vem de uma família paquistanesa politicamente influente e é filho do ex-ministro das indústrias do Punjab, Ajmal Cheema.

Em dezembro de 2009, um tribunal de Nova York condenou o fugitivo paquistanês por “dirigir alcoolizado pelo consumo de álcool” e o sentenciou a uma multa e suspensão da carteira de motorista por 90 dias.

O ERO disse que seu escritório em Nova York foi notificado em maio de 2021 de que Cheema era procurado pelo governo do Paquistão em conexão com o caso de triplo assassinato. Ele foi preso no final daquele ano antes que um juiz de imigração ordenasse sua remoção dos Estados Unidos para o Paquistão.

“Nossos oficiais devem ser elogiados por seu trabalho em prender e remover rapidamente esse indivíduo, que, sem o conhecimento da polícia dos EUA por vários anos, era um fugitivo procurado por assassinato em seu país de origem”, disse William Joyce, diretor interino do escritório do ERO.

Altos funcionários da polícia no Paquistão relataram no início de 2009 que seus investigadores recuperaram o celular de Cheema da cena do crime e que seus dados mostravam um vídeo dele agredindo sexualmente as vítimas antes de serem assassinadas.

O jornal de língua inglesa Dawn citou o chefe de polícia distrital na época dizendo que outra pessoa transgênera também foi baleada, mas essa pessoa sobreviveu e depois testemunhou no tribunal contra os suspeitos.

Fontes