Daniel Ortega provou ser em essência "um ditador", diz ex-presidente da Costa Rica

21 de dezembro de 2021

link=mailto:?subject=Daniel%20Ortega%20provou%20ser%20em%20essência%20"um%20ditador",%20diz%20ex-presidente%20da%20Costa%20Rica%20–%20Wikinotícias&body=Daniel%20Ortega%20provou%20ser%20em%20essência%20"um%20ditador",%20diz%20ex-presidente%20da%20Costa%20Rica:%0Ahttps://pt.wikinews.org/wiki/Daniel_Ortega_provou_ser_em_ess%C3%AAncia_%22um_ditador%22,_diz_ex-presidente_da_Costa_Rica%0A%0ADe%20Wikinotícias Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O ex-presidente da Costa Rica, Luis Guillermo Solis, não se esforça ao chamar o governo de Daniel Ortega de "uma ditadura atroz e criminosa que foi entronada" na Nicarágua.

Poucas semanas antes de terminar seu mandato em 2018 em um dos países mais democráticos da região, foi desencadeada a pior crise sociopolítica que a Nicarágua viveu nos últimos 20 anos, que deixou mais de 300 mortos e milhares de exilados. A maioria se refugiou na Costa Rica.

Em entrevista à Voz da América, o ex-presidente evoca uma memória, que em sua opinião ao longo do tempo levou à realidade. Foi na época que começaram as negociações para o chamado Acordo de Paz de Esquipulas, em meados da década de 1980, cujo objetivo era resolver os conflitos militares que impactaram a América Central por muitos anos.

O então presidente da Costa Rica, Óscar Arias, disse a Daniel Ortega que a grande diferença que existia entre ele e os outros presidentes que estavam naquela nomeação era precisamente que todos eles estariam dispostos a deixar o cargo no final do período estabelecido na constituição de cada país, enquanto ele não era. “[Ortega] era um ditador essencial”, Arias disse então ao presidente da Nicarágua.

“Isso soou muito duro na época, especialmente porque o presidente guatemalteco Vinicio Cerezo estava tentando harmonizar os presidentes em busca de um acordo regional que foi finalmente alcançado em 7 de agosto de 1987”, disse Solis à VOA.

Mas neste ponto Solis tem uma conclusão: “Ortega provou ser um tirano. Ele estava disposto pelas circunstâncias em que a Nicarágua se viu para deixar o poder em 1990, mas aprendeu mal a lição” depois de retornar em 2007.

“Ele deveria ter aprendido que, em uma democracia que é o que é conveniente, que haja uma troca de mandatos presidenciais protegida pela Constituição e onde há uma reeleição razoável, porque isso ocorre se o povo assim desejar”, acrescentou Solis.

Para o ex-presidente da Costa Rica, o panorama na Nicarágua, longe de melhorar 30 anos depois, piorou, e menciona que Ortega zombou da comunidade internacional a ponto de “alcançar uma nova reeleição através de uma fraude óbvia e terrível” onde a maioria da oposição está na cadeia, incluindo sete candidatos presidenciais.

"Ortega zombou da comunidade internacional por muitos anos e continua a fazê-lo. Acho que a maior farsa e o escárnio que a acompanhou foi a última eleição deste ano, no início de novembro. Nisso, não posso deixar de me surpreender com o cinismo de um regime que não tem poder diante da comunidade internacional", diz Solís.

Por essa razão, ele considera que a OEA tem agido bem no sentido de promover o isolamento internacional da Nicarágua e enfatiza que, embora a administração sandinista de Ortega tenha tomado a decisão de anunciar uma retirada dessa organização, “não a isenta de responsabilidades, pois levará dois anos até que sua retirada ocorra.”

Ele também ressalta que, devido ao crescente consenso no hemisfério "sobre as atrocidades cometidas por esse regime que continua a desafiar o mundo", a diplomacia deve propor um processo de crescente isolamento.

Ele disse que “eventualmente, a aplicação da Carta Democrática à Nicarágua, que a tornará um país pária do ponto de vista dos direitos humanos e do respeito que esses países exigem para funcionar.”

“E lamento muito porque, em última análise, essas medidas de isolamento acabam afetando mais as pessoas do que o regime, mas, ao que me parece, é o que procede porque, ao longo de tudo isso e deve ser dito com firmeza, todos os grupos de oposição têm insistido que a solução para a Nicarágua deve ser uma solução política e diplomática, e não uma solução de força.”

Fontes