23 de novembro de 2023

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O jovem empresário Daniel Noboa assume na quinta-feira a presidência do Equador. Noboa, de 35 anos, ganhou a presidência em outubro com a promessa de restaurar a segurança e criar empregos no país sul-americano, que enfrenta desafios econômicos desde a pandemia de COVID-19, forçando milhares de pessoas a migrar.

A violência nas ruas e nas prisões, atribuída pelo presidente cessante Guillermo Lasso a grupos criminosos que transportam drogas da Colômbia e do Peru através dos portos do Equador, aumentou nos últimos anos, atingindo um crescimento sem precedentes com o assassinato do candidato presidencial Fernando Villavicencio em agosto.

Noboa servirá como presidente por 17 meses, encerrando o mandato de Lasso depois que este antecipou as eleições presidenciais e legislativas para evitar uma votação de impeachment.

Será difícil para Noboa enfrentar eficazmente os desafios significativos do Equador durante um tão curto prazo, disseram os analistas, embora ele possa concorrer à reeleição em 2025.

Filho de Álvaro Noboa, poderoso magnata da indústria da banana que tentou diversas vezes sem sucesso conquistar a presidência do Equador, o novo presidente marcará sua posse com um discurso diante da Assembleia Nacional no qual poderá anunciar uma reforma tributária ou um projeto de combater a insegurança que assola o país.

“Espero que Daniel Noboa seja um presidente comprometido, honesto, que não rouba, que se concentra na questão da insegurança e da economia”, disse José Viteri, 31 anos, funcionário de uma importadora de autopeças em Quito. “Que ele não seja apenas mais um presidente como os anteriores, mas sim o início de uma mudança para o país”.

Após sua eleição, Noboa realizou uma viagem pelos Estados Unidos e pela Europa em busca de apoio de investidores e organizações multilaterais.

Ele disse que criará incentivos para que as empresas aumentem o emprego, reduzam os impostos sobre a construção, forneçam armas táticas às forças de segurança e alojem os criminosos mais perigosos em navios-prisão, entre outras promessas.

O Equador poderá ultrapassar 7.000 mortes violentas (uma taxa de homicídios superior a 35 por 100.000 habitantes) até o final de 2023, segundo um relatório do Observatório Equatoriano do Crime Organizado.

Noboa ainda não nomeou vários cargos no gabinete. Embora tenha originalmente nomeado Sariha Moya como sua próxima Ministra da Economia e Finanças, na quarta-feira ele disse que ela liderará a Secretaria Nacional de Planejamento. Ele não nomeou um novo ministro das finanças.

Fontes editar