Covid-19: vacinas da Pfizer e da AstraZeneca reduzem transmissão domiciliar, aponta estudo britânico

29 de abril de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Estudos já demonstraram que a vacinação contra o coronavírus (covid-19) reduz significativamente o risco de infecção, mas um novo estudo da Public Health England (PHE) mostrou também que aqueles que foram infectados 3 semanas após receber uma dose da vacina Pfizer-BioNTech ou AstraZeneca tinham entre 38% e 49% menos probabilidade de transmitir o vírus para seus contatos domiciliares do que aqueles que não foram vacinados.

A proteção foi observada cerca de 14 dias após a vacinação, com níveis de proteção semelhantes, independentemente da idade dos infectados e dos contatos.

Essa proteção se soma ao risco reduzido de uma pessoa vacinada desenvolver infecção sintomática em primeiro lugar, que é em torno de 60 a 65% - 4 semanas após uma dose de qualquer uma das vacinas.

As famílias são locais de alto risco para a transmissão e fornecem evidências precoces sobre o impacto das vacinas na prevenção da transmissão progressiva. Resultados semelhantes podem ser esperados em outros ambientes com riscos de transmissão semelhantes, como acomodações compartilhadas e prisões.

Ao vincular dados dos domicílio com o status de vacinação, o estudo comparou a probabilidade de transmissão de um infectado vacinado previamente com um não vacinado.

O estudo incluiu mais de 57.000 contatos de 24.000 domicílios nos quais havia um caso confirmado por laboratório de uma pessoa que havia recebido uma vacina, em comparação com quase 1 milhão de contatos de infectados não vacinados.

O Secretário de Saúde e Assistência Social, Matt Hancock, disse: "Esta é uma notícia fantástica. Já sabemos que as vacinas salvam vidas e este estudo contém os dados mais abrangentes do mundo real, mostrando que também reduzem a transmissão deste vírus mortal. Além disso, reforça que as vacinas são a melhor forma de sair desta pandemia, pois protegem você e podem evitar que você infecte alguém em sua casa sem saber. Peço a todos que tomem suas vacinas assim que forem elegíveis e assegurem-se de receber sua segunda dose para a proteção mais forte possível. Este é um grande esforço nacional e venceremos o vírus juntos".

A Dra. Mary Ramsay, Chefe de Imunização da PHE , disse: "As vacinas são vitais para nos ajudar a voltar a um modo de vida normal. As vacinas não apenas reduzem a gravidade da doença e evitam centenas de mortes todos os dias, agora vemos que elas também têm um impacto adicional na redução da chance de transmissão de covid-19 para outras pessoas. Eu encorajo qualquer pessoa a quem seja oferecida uma vacina a tomá-la o mais rápido possível".

Ramsay também adicionou que "embora essas descobertas sejam muito encorajadoras, mesmo que você tenha sido vacinado, é realmente importante que continue a agir como se tivesse o vírus, pratique uma boa higiene das mãos e siga as orientações de distanciamento social".

Estudos anteriores do PHE mostraram que ambas as vacinas Pfizer-BioNTech e AstraZeneca eram altamente eficazes na redução de infecções por covid-19 entre pessoas mais velhas, com 10.400 mortes tendo sido evitadas em pessoas com mais de 60 anos até o final de março.

A PHE também está realizando estudos sobre o efeito da vacinação na transmissão do vírus na população em geral.

Fonte