Covid-19: Câmara dos EU aprova 1,9 trilhões de dólares em ajuda

27 de fevereiro de 2021

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por VOA News

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos (EU) aprovou o pacote de ajuda covid-19 de US $ 1,9 trilhão do presidente Joe Biden, que visa dar ajuda a governos, empresas e milhões de americanos cujas vidas foram destruídas pela crise do coronavírus.

A Câmara, controlada pelos democratas, votou na manhã deste sábado, aprovando a medida por uma votação de 219–212. A aprovação coloca Biden no caminho de sua primeira grande vitória legislativa desde que assumiu o cargo em 20 de janeiro passado.

O pacote de alívio agora segue para o Senado, cujos 100 membros estão divididos igualmente entre democratas e republicanos, mas onde a vice-presidente Kamala Harris tem o voto de desempate.

Os democratas, que controlam de maneira restrita a câmara, argumentaram que a medida era necessária para reanimar a economia e combater a pandemia, que já ceifou mais de 510.000 vidas nos EU. Os republicanos, que apoiaram amplamente os pacotes de alívio anteriores, dizem que outros US$ 1,9 trilhão são simplesmente caros demais.

A medida cobre os custos de vacinas e outros suprimentos médicos e fornece pagamentos diretos [espécie de {{p|auxílio emergencial] de US$ 1.400 para a maioria dos americanos. Também oferecerá alívio financeiro de emergência para governos municipais e estaduais, bem como setores empresariais afetados pelas consequências econômicas da pandemia, como os de restaurantes e companhias aéreas.

O projeto de lei estende o seguro-desemprego de emergência até agosto, aumenta os incentivos fiscais para menores assalariados e famílias com crianças, e dá ajuda financeira a pequenas empresas.

Aumento do salário mínimo

O aumento do salário mínimo de US$ 7,25 para US$ 15 por hora proposto pelos democratas está na versão final do projeto de lei, no entanto, essa cláusula provavelmente não será aprovada no Senado. A parlamentar no Senado Elizabeth MacDonough - assessora da Câmara para a interpretação de suas regras e procedimentos, que também vota o pacote - disse quinta-feira que a proposta deve ser retirada do projeto, conforme determina o regulamento da Câmara.

A decisão da parlamentar força os democratas a buscarem outros caminhos para que a proposta do aumento do salário mínimo seja aprovada em face da dura oposição republicana.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse na sexta-feira que os democratas não desistiriam do aumento. “Se não prevalecer por causa das regras do Senado, vamos persistir ... não vamos parar até que muito em breve aprovemos o salário mínimo de US$ 15”, disse ela em entrevista coletiva.

Os democratas estão aprovando a medida no Senado sob regras especiais que contornam a oposição, o que significa que eles não precisarão de nenhum voto republicano se permanecerem unidos.

Fonte