Colômbia está na fase de contenção da varíola, dizem autoridades

26 de julho de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

O Ministério da Saúde da Colômbia disse que o país está em fase de contenção da varíola e que as autoridades estarão sob observação para detectar novos casos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou no sábado que o surto de varíola dos macacos agora pode ser classificado como uma emergência global.

“Então, neste momento, estamos em uma fase de contenção, o que representa uma oportunidade muito importante para o país. Neste momento temos uma rede de diagnóstico bastante extensa habilitada, o diagnóstico da doença é feito por biologia molecular (teste PCR) e essa mesma rede pode apoiar o diagnóstico”, disse o ministro colombiano da Saúde, Fernando Ruiz.

O ministro informou que há 11 casos confirmados no país e que, desde 30 de maio, em conjunto com o Instituto Nacional de Saúde (INS), o seu gabinete iniciou a fase de vigilância intensificada, com acompanhamento dos casos a nível nacional.

O responsável deu ainda ao fim-de-semana uma parte de tranquilidade, devido à sua baixa taxa de transmissão e letalidade.

“Isso é menos contagioso e menos grave, portanto, não representa uma ameaça da dimensão do COVID, mas há evidências de que há transmissão comunitária em vários países europeus, assim como nos Estados Unidos, Brasil e Peru”, ele adicionou.

No entanto, ele observou que o laboratório central do INS, cinco laboratórios departamentais de saúde pública e 12 laboratórios estavam habilitados a fazer diagnósticos suficientes.

Na Colômbia, foi estabelecido um protocolo de entrada no país para identificar pessoas que possam ter a doença e se isolar.

“O isolamento da doença está estimado em cerca de 21 dias, caso a doença esteja presente, que é a fase em que pode haver maior risco de contágio”, explicou Ruiz.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou uma emergência global, apesar da falta de consenso entre os membros do comitê de emergência da OMS. Foi a primeira vez que o chefe da agência de saúde da ONU deu tal passo.

Fontes