Brasil fica de fora de parceria por florestas na COP27

10 de novembro de 2022

Ursula von der Leyen
Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Em 8 de novembro, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em nome da UE, assinou cinco memorandos de entendimento para uma parceria florestal com a Guiana, Mongólia, República do Congo, Uganda e Zâmbia na presença do presidente da Guiana Mohamed Irfaan Ali , Presidente da Mongólia Ukhnaagiin Khürelsükh, Presidente da Zâmbia Hakainde Hichilema e representantes do Presidente da República do Congo, Denis-Christel Sassou Nguesso, e do Presidente do Uganda Yoweri Museveni. Eles foram assinados durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas COP27 como uma contribuição para a dimensão externa do Pacto Verde da UE.

As Parcerias Florestais abrangem o quadro de cooperação holística da UE para o trabalho conjunto sobre as florestas, destinado a reverter a desflorestação nos países apoiados e, consequentemente, melhorar a proteção do clima e da biodiversidade. As florestas atuam como sumidouros de carbono e são essenciais para a adaptação e mitigação do clima.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse: “As florestas são essenciais em muitos aspectos: lutar contra as mudanças climáticas, proteger a biodiversidade, fornecer meios de subsistência a milhões em todo o mundo. De fato, as florestas abrigam 80% das espécies terrestres de plantas, animais e microrganismos, enquanto 1,6 bilhão de pessoas dependem dos recursos florestais para sua subsistência, alimentação e combustível. Com tanto em jogo, é fundamental realizar ações impactantes e reverter o desmatamento. Portanto, precisamos de Parcerias Florestais com o maior número possível de parceiros para manter florestas saudáveis para um futuro mais sustentável. Por meio dessas parcerias, apoiaremos nossos parceiros na gestão e preservação sustentável das florestas, um dos recursos naturais mais ricos do mundo para combater as mudanças climáticas e conservar a biodiversidade, bem como promover o desenvolvimento sustentável”.

A iniciativa conta com 26 países. O Brasil porém não participou apesar de possuir a maior floresta tropical do planeta. O Itamaraty afirmou que há foros melhores para tratar das necessidades dos países em desenvolvimento.

Fonte