Brasil: um ano depois do derramamento de óleo na costa do nordeste, responsáveis ainda não foram apontados

28 de agosto de 2020

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

Por Greenpeace Brasil

“Estamos vivendo momentos difíceis desde o derramamento de óleo nas nossas praias e comunidades. Nós, mulheres, estamos perdendo a autonomia pois não temos condições de ganhar o nosso dinheiro e de vender o marisco ou pescado. A rejeição é muito grande. E antes de termos nos recuperado do petróleo, chegou a pandemia. Estamos angustiadas sem saber como cuidar da nossa família, até porque o sistema de saúde mal chega até as comunidades tradicionais”.

Esse é o relato de Maria Vale, pescadora de Fortim (Ceará) e participante da Articulação Nacional das Pescadoras (ANP). Dia 30 de agosto completa-se um ano desde que as primeiras manchas de um petróleo cru e misterioso apareceram numa praia da Paraíba. Poucos meses depois, o óleo havia atingido todos os estados do Nordeste e dois do Sudeste. O maior desastre ambiental em extensão da história do Brasil contaminou praias, mangues, recifes de corais e causou danos à saúde e prejuízo econômico para a população, principalmente para quem vive da pesca e do turismo.

Como Maria Vale deixa claro, neste ano a pandemia só agravou a situação. Muitos pescadores sequer conseguiram se enquadrar para receber o auxílio emergencial. Maria e a população ainda esperam respostas do governo. Nem mesmo os responsáveis pelo derramamento foram apontados.

Diante da inação do governo e da falta de apoio, está sendo lançada a campanha Mar de Luta – Justiça Social aos Povos das Águas Atingidos pelo Petróleo. A iniciativa vem de movimentos sociais de pescadores artesanais e de organizações de defesa aos direitos humanos e socioambientais, e tem o apoio do Greenpeace Brasil. Seu objetivo é continuar trazendo à imprensa e à sociedade as informações sobre os impactos que as comunidades pesqueiras estão sofrendo até hoje e reivindicar reparações do governo.

Para marcar a data, será feita uma live no dia 30 de agosto no Youtube do Intervozes. No dia seguinte, 31 de agosto, uma série de mobilizações online com postagem de imagens e um tuitaço também vão chamar atenção para a data. Você pode apoiar e participar dessas atividades. Mais informações estão nas contas da campanha do Instagram e Facebook.

Entre as demandas da população está a responsabilização do Estado pela falta de respostas e de pesquisas sobre o impacto na saúde da população e sobre efeitos socioeconômicos e ambientais que o petróleo causou. A campanha também pede um processo rigoroso de avaliação e monitoramento das áreas atingidas e se opõe à abertura de novos poços de petróleo nos mares e oceanos.

“Lá em 2019, não foram tomadas medidas eficazes e nem a tempo de evitar um desastre maior, nem foi acionado um Plano de Contingência. As próprias comunidades tiveram que se organizar para retirar o petróleo das praias e mangues. Então, elas estiveram expostas a muitos riscos de saúde. E até hoje não temos pesquisas que indiquem o nível de comprometimento do pescado e das águas”, diz Ormezita Barbosa, Secretária-executiva do Conselho Pastoral dos Pescadores.

Fazem parte da Campanha Mar de Luta: Conselho Pastoral dos Pescadores, o Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais (MPP), Articulação Nacional das Pescadoras (ANP), Comissão Nacional para o Fortalecimento das Reservas Extrativistas e dos Povos Extrativistas Costeiros Marinhos (Confrem), Rede Manguemar e Núcleo de Estudos Humanidades, Mares e Rios da Universidade Federal de Pernambuco, Coletivo de Comunicação Intervozes.

Em 2019, o Greenpeace fez uma série de ações de pesquisa, monitoramento das águas e recifes de corais, além e ajudar, junto com os grupos de voluntários, a levar Equipamento de Proteção Individual (EPIs) para os grupos que estavam limpando as praias.

Leia também: Óleo no Nordeste completa um ano. Relembre o que fizemos

Notícia Relacionada

Fonte

Nota: conforme o Greenpeace Brasil no rodapé do site, "a menos que especificado o contrário, os textos neste site estão licenciados sob uma licença CC-BY International", que permite "copiar e redistribuir o material para qualquer finalidade, mesmo comercialmente".


Compartilhe
essa notícia: