Bomba mata líder extremista no Afeganistão

8 de agosto de 2022

Email Facebook Twitter WhatsApp Telegram

 

Um comandante central de uma organização extremista que planejava ataques no Paquistão foi morto em uma explosão de bomba na estrada no vizinho Afeganistão.

Abdul Wali, conhecido como Omar Khalid Khorasani, estava viajando na província fronteiriça do sudeste do Afeganistão no final de domingo, quando um artefato explosivo improvisado atingiu seu veículo, disseram vários militantes e fontes de segurança paquistanesas na segunda-feira.

O grupo Tehrik-i-Taliban Pakistan (TTP), conhecido como Talibã paquistanês, também confirmou sua morte dizendo que uma “declaração detalhada será divulgada em breve sobre o martírio” de seu líder.

O atentado de domingo ocorreu em Barmal, um distrito afegão adjacente à fronteira com o Paquistão, e também matou pelo menos três associados de Khorasani que estavam no veículo.

Nenhum grupo assumiu imediatamente a responsabilidade pelo ataque mortal, nem o governo talibã do Afeganistão comentou sobre isso.

O comandante extremista morto era um membro fundador do TTP, que os Estados Unidos e as Nações Unidas designaram como uma organização terrorista global.

Militantes do TTP vêm realizando ataques mortais contra as forças paquistanesas. A violência se intensificou desde o retorno do Talibã ao poder em Cabul.

O Talibã tomou o poder no Afeganistão há quase um ano, em 15 de agosto, quando o então governo afegão e suas forças de segurança entraram em colapso depois dos Estados Unidos deixarem o país.

Desde então, os governantes do Talibã intermediaram negociações de paz entre o Paquistão e o TTP para ajudá-los a negociar um fim pacífico para a violência. Autoridades do Talibã dizem que estão facilitando o processo de paz de acordo com suas promessas de não permitir que nenhum grupo use solo afegão para ataques contra qualquer país.

O TTP anunciou no início de junho um cessar-fogo indefinido com o governo paquistanês, citando progressos “substanciais” nas negociações. Khorasani também fez parte da equipe de negociação do grupo.

O grupo extremista exige que o Paquistão restaure um status semi-autônomo de vários distritos fronteiriços, retire suas tropas e permita a imposição da interpretação islâmica pelo TTP.

Islamabad rejeita todas as exigências do TTP. Em vez disso, as autoridades paquistanesas dizem que estão pedindo a dissolução do grupo para que seus membros possam entregar armas e voltar a viver pacificamente no Paquistão.

Analistas dizem que o assassinato de Khorasani foi um grande golpe para o TTP, observando que tem o potencial de inviabilizar o processo de diálogo e pode levar à intensificação da violência no Paquistão.

Fontes