Abrir menu principal

"Esquadrão da morte" preocupa em Angola

Agência VOA

7 de junho de 2018

A execução numa das ruas do bairro Benfica, na capital angolana, de um suposto marginal por parte de um agente do Serviço de Investigação Criminal (SIC), continua a provocar muitas reacções em Luanda.

A Procuradoria-Geral da República indicou nesta quinta-feira, 7 de junho, que o agente vai aguardar o julgamento em prisão preventiva, enquanto os restantes seis colegas foram libertados.

Ontem, o Observatório para Coesão Social e Justiça em Angola convocou uma marcha para o dia 16 de Março para protestar contra a banalização da criminalidade e as execuções extra-judiciais no país.

Mariano Brás, jornalista do semanário O Crime, considera que o chamado “esquadrão da morte” é um grupo de efectivos do SIC, que funciona junto das comunidades e apenas actua especificamente para matar aqueles indivíduos que, na óptica deles, são uma ameaça para a sociedade.

“Esse grupo é conhecido por ter baixa visibilidade que só actua quando for mesmo para executar”, explica.

Brás cita exemplos da execução de os oito jovens do “Caso Frescura” e de dois actores confundidos como marginais.

O jornalista acrescenta que o grupo está identificado e é do conhecimento do comandante Geral da Polícia Nacional.

“É um grupo conhecido das autoridades”, sublinhou. As identidades do agente do SIC e do suposto marginal não foram reveladas.

Fonte

Compartilhe essa notícia: